De uma cena inesquecível

Sexta-feira, 17h00 da tarde, véspera do final de semana dos Dia dos Pais. Mochila com as cores do Brasil nas costas, lá vou eu andando uns bons trinta minutos até chegar no ponto para pegar o ônibus. Dei sorte, consegui achar um lugar para sentar.

30 minutos de viagem que durou um pouco mais devido ao intenso trânsito. Fazia um calor fora do comum para um inverno aqui em Curitiba. Estava eu pensativo com algumas coisas, devaneando com meus botões sobre alguns planos para um futuro próximo. Fazia um final de tarde muito bonito na capital das araucárias.

Desço do ponto, cruzo a rodovia rapidamente, desacelero o passo para ver o lindo pôr do sol que se formava. Viro uma esquina, caminho mais um pouco, percebo ao longe alguém vindo em minha direção correndo. Sim, é ela!!!

Ela vem correndo em minha direção, toda linda, cabelos na altura dos ombros bailando ao vento. Ela apressa a corrida quando se aproxima de mim. Abro os braços, ela como de costume, se joga neles com toda a alegria. Nosso tradicional beijo na bochecha, ela me olha profundamente, me entrega uma pequena sacolinha e me diz:

FELIZ DIA DOS PAIS!!!

Meus olhos embargaram na hora!!! Parei, sentamos num banquinho em frente à sua casa, abri o presentinho que ela me deu e junto dele uma montagem que ela fez pra mim: uma letra L recortada de uma folha de papel sulfite. Dentro desta letra desenhada poucas frases escritas com uma letra infantil em diversas cores. Ao ler este recadinho meus olhos se encheram de lágrimas, minha voz ficou presa na garganta. Eis o conteúdo da mensagem:

Amigo é coisa é pra se guardar debaixo de sete chaves, assim falava a canção.

Luidi, você não é meu pai, mas é como se fosse muito mais. Luidi você sempre me ajudou em tudo.

Obrigada por tudo!!!

Pai não é aquele que gera um novo ser. Pai é aquele que cria, dá carinho, ensina, orienta, ouve com atenção, sempre está junto nos momentos sejam eles felizes ou tristes. Pai, é ter responsabilidade com o futuro de uma criança, é dar Amor incondicional, é sacrificar se preciso for os seus sonhos em prol dos sonhos dos seus filhos.

Para todos os pais, que Deus abençoe todos os dias de seu viver, com muita paz, alegria e prosperidade. Que nunca desanimem frente aos obstáculos da vida visando sempre o bem estar de sua família.

Feliz Dia dos Pais

Flores do Éden

A cada segundo que passa somos agraciados com a presença do ser mais perfeito criado pela engenharia divina: MULHER!!!

Você que faz nosso dia ser salpicado com diversos tons de beleza!
Você que demonstra força sem perder a sutileza e a feminilidade!
Você que faz nosso coração bater mais forte com simples gestos!
Você que nos hipnotiza com apenas um olhar!
Você que é bela desde o cabelo até aos pés!
Você que é inteligente e sábia para superar todo tipo de problema!
Você que é companheira e amiga, mãe e protetora!
Você que é a razão de nosso viver!
Enfim, palavras aqui me faltam para descrevê-las, somente digo que nós homens temos muita sorte por tê-las diariamente enfeitando nosso dia com os mais doces e raros sentimentos.
Tu homem, não somente hoje, mas a cada dia, faça por merecer a mulher que tens ou vai ter!!!
Com muito respeito e carinho,
FELIZ DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES!!!

Mix Tapes Set 2

Para o pessoal que já passou dos trinta anos de idade e curtiu muito os anos 90, mais um set list para relembrar grandes momentos de diversão. Aumentem o volume, retirem as cadeiras da sala e bora treinar alguns passinhos (rs).

Penelope – Take a chance

Chimo Bayo – Asi me gusta a mi

Cartouche – Touch the sky

Colour – Heat of the night

Technotronic – Move this

2 For Love – Only for love

Culture Beat – Got to get it

Memento vivere

Ah, a vida esta doce caixinha de surpresas. Ação, movimento, alegrias, surpresas.

Ah, a vida esta linha tênue recheada de oscilações atemporais e inconstantes, montanha russa de situações e emoções.

Ah, a vida, mar calmo sem ondas, mar bravio cheio de tormentas, silêncio, turbulência.

Ah, a vida, um segundo apenas pode mudá-la para sempre. Mais uma grata surpresa destinou a este pobre mortal que agora compartilho com vocês.

Dizem que todo homem precisa fazer três coisas antes de partir: plantar uma árvore (já fiz), escrever um livro (meus posts aqui já dariam rascunho para um livro de memórias) e ter um filho (ainda me falta ao menos que eu saiba). Mas existem inúmeras outras coisas que devemos fazer enquanto vivermos, uma delas é um jantar especial (na minha opinião), tipo aquele jantar do clássico A Dama e o Vagabundo. Pois bem, depois de muito planejamento, economizando no almoço do dia a dia (sou expert nisso) e aproveitando das compras coletivas e do parcelamento do cartão de crédito consegui concretizar um sonho meu de infância: levei mi passione para jantar num restaurante famoso aqui em Curitiba: o Duo Cuisine.

Eu sei que para muitos isso possa soar como algo normal, mas para mim nem consigo quantificar a alegria que tive pela concretização deste sonho. Fiz o script bem certinho: agendei com mi passione, óbvio que não contei o nome do restaurante. Eu parecia um adolescente querendo impressionar e surpreender. E consegui ouvindo as palavras dela depois e notando a felicidade em seu semblante. Eu sei que a diferença está nas pequenas coisas diárias que fazemos para quem amamos, mas uma surpresa diferente de vez em quando salpica mais tempero em nossas relações.

Estava ansioso, não tenho como negar. Esperei-a para tomarmos um táxi e ir até o restaurante. Quando a vi meus olhos brilharam de alegria. Estava divina na sua simplicidade peculiar. Notei os brincos que lhe dei de presente tempos atrás, o batom rosa discreto delineando seus lábios chamativos, sua camiseta em tons de amarelo ressaltando o belo e convidativo volume dos seus seios, sua calça jeans básica, seu sorriso de Afrodite me conduzindo aos Elíseos. Eita, espera um pouco preciso respirar, senão…

Dentro do táxi, ela com toda a malícia me perguntando: aonde você vai me levar? Desconversei e entrelaçei minha mão com a dela e conversamos divertidamente até chegar ao restaurante. Bom, pra quem conhece o Duo Cuisine não preciso dar detalhes, fiquei maravilhado com o ambiente e com o atendimento prestado.

Chegando no restaurante, fomos atenciosamente conduzidos ao segundo andar e quando vimos o ambiente ficamos enebriados com a beleza da decoração e mi passione murmurou no meu ouvido: luidi, me surpreendeu!!! Sentamos perto da janela, a mesa tinha uma iluminação natural rosa clara proporcionada por uma lindíssima vela decorativa que dava ao ambiente um ar elegante e aconchegante. Desculpem-me pelos superlativos, mas o lugar é show. Entrelaçamos nossas mãos antes do jantar ser servido agradecendo a vida por mais um momento especial que estávamos vivendo.

O jantar foi igual à filme romântico, igualzinho aos meus sonhos. Um bom vinho, uma boa entrada, um ótimo filet mignon, doces e provocativas brincadeiras, uma deliciosa sobremesa e uma esplendorosa companhia. Apenas faltou um detalhe, a cena do macarrão (rs). Degustamos calmamente o jantar, ao final, trouxe-a junto ao meu peito e beijei-a torridamente já sentindo os efeitos do vinho (afinal ela tomou apenas duas taças e eu tomei o restante da garrafa rs).

Em silêncio deixamos o restaurante, e ao som de Def Leppard – Love Bites ela recostou sua cabeça em meu ombro enquanto eu vagarosamente fazia carícias em seu cabelo (cena inesquecível). O depois, bem, fica na imaginação de cada um.

Ah, a vida:

Aproveite-a agora enquanto tens paixão, enquanto teu coração bate, enquanto tem com quem compartilhar tuas duras vitórias.

Reminiscências

2012. O ano em que o mundo ia acabar, pois bem, não acabou e também não ganhei na mega sena da virada. Coisas da vida. Troquei de emprego 3 vezes. Este ano espero não precisar deste fator novamente. Passei por bons e maus momentos, ainda bem que a balança pendeu mais para o lado bom. Vivi momentos únicos ao lado de mi passione (nós dois deitados na grama com ela recostada sobre o meu peito, inesquecível). Escrevi menos, este ano prometo escrever mais. Aumentei minha resiliência apesar das trocas de emprego. Cortei mais alguns supérfluos, fiz um fundo de investimento (aleluia). Concretizei um sonho antigo (conto noutro post), tomei mais vinho (rs), comi menos fast food. Brinquei mais com crianças, arrisquei mais, falei menos. Emocionei mais. Solidifiquei antigas e criei novas amizades.

Enfim, 2012 foi um ano muito proveitoso para mim. Espero que neste ano eu tenha novos desafios para continuar lutando diariamente pelos meus ideais, e, com meus gestos eu possa alegrar e ajudar as pessoas que eu amo.

Feliz 2013 à todos!!!

Um almoço, uma frase

Estava eu sossegado trabalhando quando uma simples mensagem recebida chama a minha atenção. O corpo desta mensagem convidava-me para um almoço ‘de negócios’ por assim dizer. Como recusar um almoço bem acompanhado. Lá fui eu. Sai um pouco antes para esperá-la chegar. Quando meus olhos depararam com sua beleza meu corpo foi tomado por uma sensação de êxtase. Seu jovial e belo rosto, seu sorriso, o belo brinco em formato de coruja dando um toque de mistério ao seu rosto. Caminhamos lado a lado conversando alegremente sobre algumas amenidades do cotidiano.

Chegamos no restaurante, escolhemos uma mesa, nos servimos no buffet, pegamos uma generosa porção de sobremesa e começamos a almoçar. Durante o decorrer do almoço conversamos sobre alguns negócios, algumas metas em comum e outras coisas mais. Mais uma vez seu sorriso me hipnotizou. Quase ao final de nosso almoço, ela olha pra mim e me pergunta: – luidi, veja senão ficou algum resto de comida nos meus dentes. Em princípio estranhei a pergunta, mas, aprendi que de uma situação inusitada podemos tirar proveito olhei-a fixamente nos olhos e disse esta frase:

Apenas vejo lábios vermelhos como uma maçã madura e suculentos como favos de mel.

Segurei suas sedosas mãos, trouxe-a junto ao meu peito e deliciei-me, paguei o almoço e saímos passear. Depois flashes inesquecíveis de uma frase dita na hora certa. As mãos unidas durante o passeio, o cappuccino com creme, os beijos, o despir fervoroso das roupas, e o resto fica na imaginação de vocês. Nem preciso mencionara que nesta tarde nem voltei ao trabalho (ainda bem que sou pessoa jurídica rs), concedi-me uma tarde de prazer, afinal:

Temos que aproveitar a vida quando ela nos oferece oportunidades.

Passeio no Jardim Botânico

Primeiramente, a vida tem certos momentos que são inesquecíveis, por este fator ela é especial e deve ser aproveitada ao máximo. Certo dia, pra minha surpresa recebo uma mensagem de uma pessoa muito especial pra mim querendo passear comigo no Jardim Botânico aqui de Curitiba. Como recusar uma proposta destas. Fazia tempo que queria conhecer o Jardim Botânico tão famoso aqui em Curitiba.

Cheguei antes dela e fiquei observando os peixes e as tartarugas desfrutando pequenos insetos que caíam na água, calmos e tranquilos em meio à selva de pedra onde estavam inseridos. Fiquei filosofando comigo, quanta diferença em um mesmo espaço. No jardim, uma serenidade, uma quietude. Logo após a cerca, barulho de carros, ônibus, pessoas apressadas, prédios em construção, metas, stress.

Minha companhia chegou alguns minutos mais tarde, um beijo de boas vindas e fomos passear tranquilamente admirando a beleza da natureza que nos rodeava. Tenho em minha mente todas as cenas que presenciamos. Passamos ver uma exposição de quadros, depois passamos a passarela sobre o lago. Aconteceu uma cena no mínimo engraçada: paramos para ver uma linda espécie de orquídea que estava numa árvore, ela se apoiou no tronco da passarela, 1 minuto depois ouço seu grito e um pulo, ela havia posto a mão em cima de um ‘mandorová’, sorte que não era venenoso.

Seguimos pelo caminho que rodeia o bosque conversando sobre amenidades da vida, lembranças de nossa infância, citando nomes de árvores que conhecíamos, fazendo pequenas carícias e comentários divertidos. Após uns 15 minutos de caminhada, chegamos na famosa estufa de plantas, apreciamos a pequena cascata e as plantas. Depois passeamos pelo bosque desenhado que fica em frente à estufa. Muito legal a cena da professora brincando com seus pequenos alunos uniformizados no gramado, quantos risos, quanta diversão.

Depois degustamos algumas pitangas diretamente da fonte (rs), caminhamos um pouquinho, escolhemos uma bela sombra, deitamos lado a lado e ficamos conversando sobre o futuro tendo como espectadores um casal de quero-queros com seu filhotinho ainda adquirindo plumagem. Alguns turistas iam e vinham com suas máquinas fotográficas, o tempo foi passando, quase adormecemos no gramado (rs).

Bom, como tudo de bom nesta vida tem um tempo tivemos que voltar para a nossa vida cotidiana. Ambos pegamos o ônibus, um para cada lado, ficando em nossa mente os doces momentos vividos em companhia da natureza e um gostinho bom de quero mais.

Periodicamente dedique um tempo para você esquecer que existe trabalho, metas, visite algum parque da sua cidade, aprecie os pássaros, os insetos, as árvores e tente retirar um pouco da tranquilidade que eles exalam para o seu dia a dia. Te garanto, o bem que isto faz não há dinheiro que pague.

Mix tapes

Aproveitando o feriadão e o aniversário do meu estimado pai junto com a minha família, resolvo ver minhas antigas coisas que estavam guardadas num baú velho de madeira que meu avô fez pra mim. Como a vida tem destas curiosidades saudosistas. Dentre livros, velhas apostilas, algumas revistas de conteúdo ‘interessante’, meu caderno de matemática, eis que meus olhos brilham de nostalgia ao vislumbrar  minhas fitas cassete dentro de um caixa velha de sapatos.

Minhas fitas cassete eram muito desejadas pela gurizada da rua, pois eu adorava fazer mix tapes de música dance dos anos 90 (grande época, grandes recordações) e distribuir para a gurizada. Na época eu estudava no período noturno no antigo segundo grau (quanto tempo), juntamente com um grande amigo meu fazíamos de tudo para conseguir comprar as fitas cassete da antiga Doctor Disco aqui de Curitiba (DJ Party Mix), as famosérrimas fitas amarelas e as vermelhas (especiais). A gente passava a tarde toda selecionando e gravando fitas cassete no meu grande rádio ‘double deck recorder’ preto que ganhei do meu pai (o melhor presente ganho até hoje).

Quantas tardes de sábado, quantas noites no intervalo das aulas, a galera se reunia para escutar nossas mix tapes. Eu passava o final de semana todo escutando programas de rádio para ver se uma nova música era lançada. Sabia de cor e salteado todos os horários dos melhores programas de rádio (em especial o inesquecível Ritmo da Noite da Jovem Pan mixado pelo grande DJ Iraí Campos). Dentre outros que me lembro tinha também a rádio Mundi de Ponta Grossa, a Atlântida de Blumenau, a Nova Era de Mafra, a Transamérica, etc.

Depois de passar um tempo vendo minhas fitas cassete e relembrando dos amigos e festas do passado, perguntei para a minha mãe onde estava meu toca-fitas preto, o mesmo onde eu escutava as minhas mix tapes. Para a minha enorme surpresa, ele ainda funciona. Não pensei duas vezes, peguei as fitas cassete, sentei na varanda da frente da minha casa como eu fazia antigamente, levantei o volume e curti os grandes clássicos dance dos anos 90 que tiveram grande importância em minha vida. Para os saudosistas, farei set lists das músicas que eu gravava. Que saudade, curtam o som.

Bandido – I drove all night

G.E.M. – I feel you tonight

Taleesa – I found love

Ice MC – Think about the way

Twenty Four Seven – Slave to the music

Whigfield – Saturday night

DJ Bobo – Somebody dance with me

Co.Ro feat Taleesa – For your love

Double You – Heart of glass

Twenty Four Seven – Take me away

Andrew Sixty – Oh Carol

Aguardem que tem mais, é muita música.

À moda antiga

Mais uma vez meus olhos são extasiados com uma presença angelical. Ela, simplesmente, espetacular. Seus lindos cabelos loiros feito um trigal maduro, seus olhos azuis celestes flamejantes de doces enigmas, sua boca provocante dos mais ávidos e luxuriantes desejos realçada por um batom rosa (batom este que dei pra ela noutra ocasião), seu corpo transpirando sensualidade e feminilidade, trajada com uma leg jeans azul e uma camiseta amarela muito estilosa. E eu, simples admirando tão magnífica obra da engenharia humana. Enlaçei-a pelas suas mãos e fomos passear, depois fomos ao ‘nosso cantinho especial’.

Na volta, andando, jogando conversa fora, ela adentrou uma lojinha em busca de um par de brincos que está querendo comprar. O brinco, pequeno, em formato de morango ficou espetacular nela. Na hora de pagar, como bom cavalheiro que sou, paguei o brinco a contragosto dela. A dona da loja e ela começaram uma conversa sobre homens ‘à moda antiga’.

Elas falaram que as mulheres hoje em dia querem ser iguais aos homens (o que na minha opinião é justíssimo), que por conta disso a grande maioria dos homens perdeu o ‘cavalheirismo’ com as mulheres. A dona da loja olhou bem para ela e disse: – olha é difícil achar um homem ‘à moda antiga’, aproveita menina!!! Dei uma grande risada e repliquei sorridente: – mas não exagera senão eu vou à falência. Sai com o peito inflado de orgulho (rs).

Se estou certo ou errado, é o meu jeito. Sou a favor dos direitos iguais, mas qual a mulher que não fica lisonjeada com pequenas gentilezas de vez em quando?

Gentileza é um dos sinônimos de um homem de verdade.

 

 

 

Bar Estrela

Depois de um tempo afastando aqui do meu quintalzinho virtual devido ao excesso de afazeres profissionais, eis que estou de volta para continuar relatando minhas concepções da vida, alguns pensamentos e muitas boas lembranças vividas. Esta história que relembrei e agora compartilho ocorreu-me na última viagem que fiz para Santa Catarina. Eis a história:

Sabadão, levanto-me cedinho, um bom amargo para adoçar o dia (rs), meu avô me ajuda a sorver o mate, algumas risadas, algumas prosas sobre a vida, mulheres e afins. Depois, vou fazer a barba, a gilete desliza suavemente sobre o meu rosto. Um bom banho, um perfuminho, uma roupa bacana e sigo em direção à rodoviária. En passant, um dia belíssimo (como hoje também está), céu azul celeste embelezando o verde da capital das araucárias.

Chego na rodoviária, compro a passagem, pego o ônibus e rumo em direção à Santa Catarina. Um trânsito caótico na saída de Curitiba devido as obras de duplicação da rodovia. O trajeto que era pra ser feito em duas horas, demorou quase três horas. No sábado, na cidade dos meus pais, o ônibus passa somente de hora em hora, logo, mais uma vez decidi ir a pé pra casa dos meus pais.

Antes de chegar à casa dos meus pais é possível escolher dois caminhos, desta vez escolhi o caminho que fazia tempo que eu não fazia. E justamente por escolher este caminho que recordei-me de uma lembrança da minha infância.

Estavas eu caminhando e apreciando a paisagem interiorana quando meus olhos enxergam uma construção antiga. Um casarão degastado pelo tempo, contendo uma porta ampla, o letreiro acima da porta faltando uma letra, formando a palavra BAR STRELA. Não contive a curiosidade, parei em frente ao bar, vislumbrei alguns velhinhos num canto conversando e tomando cerveja,  atrás do balcão o mesmo casal que sempre me atendia à quase 25 anos atrás. Ambos com marcas impiedosas que o tempo deixou em seus rostos.

Adentrei o bar e fiquei um tempinho observando o ambiente. Algumas coisas mudaram, outras coisas continuavam no mesmíssimo lugar. Aquele ar de nostalgia e interior era o mesmo. Para a minha surpresa o velho baleiro em formato hexagonal daqueles que possuem quatro bocas e giram estava ainda resistindo ao tempo e a modernidade. Comprei algumas balas de morango para levar aos meus sobrinhos. Me veio à tona lembranças da minha infância.

Lembrei-me da época em que o meu pai sempre me pedia para registrar seus jogos do bicho que ele fazia naquele bar. Meu pai sempre jogava no duque ou terno de dezenas e frequentemente ganhava alguns cruzados (ou cruzeiros não me lembro). Ele marcava sua aposta num pequeno papel, me entregava juntamente com o dinheiro da aposta e me pedia para eu ir até o bar registrar sua fézinha.

Toda vez que eu chegava no bar, ganhava algumas balas daquele mesmo baleiro que estava em minha frente. Apenas uma coisa era diferente desta vez, os velhinhos eram outros e não os mesmos de quase 25 anos atrás, culpa do tempo. Por muito tempo, semanalmente ia até este bar registrar os jogos do meu pai. Os donos sequer me reconheceram, paguei uma cerveja aos velhinhos e bora pra casa.