Mix Tapes Set 2

Para o pessoal que já passou dos trinta anos de idade e curtiu muito os anos 90, mais um set list para relembrar grandes momentos de diversão. Aumentem o volume, retirem as cadeiras da sala e bora treinar alguns passinhos (rs).

Penelope – Take a chance

Chimo Bayo – Asi me gusta a mi

Cartouche – Touch the sky

Colour – Heat of the night

Technotronic – Move this

2 For Love – Only for love

Culture Beat – Got to get it

Memento vivere

Ah, a vida esta doce caixinha de surpresas. Ação, movimento, alegrias, surpresas.

Ah, a vida esta linha tênue recheada de oscilações atemporais e inconstantes, montanha russa de situações e emoções.

Ah, a vida, mar calmo sem ondas, mar bravio cheio de tormentas, silêncio, turbulência.

Ah, a vida, um segundo apenas pode mudá-la para sempre. Mais uma grata surpresa destinou a este pobre mortal que agora compartilho com vocês.

Dizem que todo homem precisa fazer três coisas antes de partir: plantar uma árvore (já fiz), escrever um livro (meus posts aqui já dariam rascunho para um livro de memórias) e ter um filho (ainda me falta ao menos que eu saiba). Mas existem inúmeras outras coisas que devemos fazer enquanto vivermos, uma delas é um jantar especial (na minha opinião), tipo aquele jantar do clássico A Dama e o Vagabundo. Pois bem, depois de muito planejamento, economizando no almoço do dia a dia (sou expert nisso) e aproveitando das compras coletivas e do parcelamento do cartão de crédito consegui concretizar um sonho meu de infância: levei mi passione para jantar num restaurante famoso aqui em Curitiba: o Duo Cuisine.

Eu sei que para muitos isso possa soar como algo normal, mas para mim nem consigo quantificar a alegria que tive pela concretização deste sonho. Fiz o script bem certinho: agendei com mi passione, óbvio que não contei o nome do restaurante. Eu parecia um adolescente querendo impressionar e surpreender. E consegui ouvindo as palavras dela depois e notando a felicidade em seu semblante. Eu sei que a diferença está nas pequenas coisas diárias que fazemos para quem amamos, mas uma surpresa diferente de vez em quando salpica mais tempero em nossas relações.

Estava ansioso, não tenho como negar. Esperei-a para tomarmos um táxi e ir até o restaurante. Quando a vi meus olhos brilharam de alegria. Estava divina na sua simplicidade peculiar. Notei os brincos que lhe dei de presente tempos atrás, o batom rosa discreto delineando seus lábios chamativos, sua camiseta em tons de amarelo ressaltando o belo e convidativo volume dos seus seios, sua calça jeans básica, seu sorriso de Afrodite me conduzindo aos Elíseos. Eita, espera um pouco preciso respirar, senão…

Dentro do táxi, ela com toda a malícia me perguntando: aonde você vai me levar? Desconversei e entrelaçei minha mão com a dela e conversamos divertidamente até chegar ao restaurante. Bom, pra quem conhece o Duo Cuisine não preciso dar detalhes, fiquei maravilhado com o ambiente e com o atendimento prestado.

Chegando no restaurante, fomos atenciosamente conduzidos ao segundo andar e quando vimos o ambiente ficamos enebriados com a beleza da decoração e mi passione murmurou no meu ouvido: luidi, me surpreendeu!!! Sentamos perto da janela, a mesa tinha uma iluminação natural rosa clara proporcionada por uma lindíssima vela decorativa que dava ao ambiente um ar elegante e aconchegante. Desculpem-me pelos superlativos, mas o lugar é show. Entrelaçamos nossas mãos antes do jantar ser servido agradecendo a vida por mais um momento especial que estávamos vivendo.

O jantar foi igual à filme romântico, igualzinho aos meus sonhos. Um bom vinho, uma boa entrada, um ótimo filet mignon, doces e provocativas brincadeiras, uma deliciosa sobremesa e uma esplendorosa companhia. Apenas faltou um detalhe, a cena do macarrão (rs). Degustamos calmamente o jantar, ao final, trouxe-a junto ao meu peito e beijei-a torridamente já sentindo os efeitos do vinho (afinal ela tomou apenas duas taças e eu tomei o restante da garrafa rs).

Em silêncio deixamos o restaurante, e ao som de Def Leppard – Love Bites ela recostou sua cabeça em meu ombro enquanto eu vagarosamente fazia carícias em seu cabelo (cena inesquecível). O depois, bem, fica na imaginação de cada um.

Ah, a vida:

Aproveite-a agora enquanto tens paixão, enquanto teu coração bate, enquanto tem com quem compartilhar tuas duras vitórias.

Mix tapes

Aproveitando o feriadão e o aniversário do meu estimado pai junto com a minha família, resolvo ver minhas antigas coisas que estavam guardadas num baú velho de madeira que meu avô fez pra mim. Como a vida tem destas curiosidades saudosistas. Dentre livros, velhas apostilas, algumas revistas de conteúdo ‘interessante’, meu caderno de matemática, eis que meus olhos brilham de nostalgia ao vislumbrar  minhas fitas cassete dentro de um caixa velha de sapatos.

Minhas fitas cassete eram muito desejadas pela gurizada da rua, pois eu adorava fazer mix tapes de música dance dos anos 90 (grande época, grandes recordações) e distribuir para a gurizada. Na época eu estudava no período noturno no antigo segundo grau (quanto tempo), juntamente com um grande amigo meu fazíamos de tudo para conseguir comprar as fitas cassete da antiga Doctor Disco aqui de Curitiba (DJ Party Mix), as famosérrimas fitas amarelas e as vermelhas (especiais). A gente passava a tarde toda selecionando e gravando fitas cassete no meu grande rádio ‘double deck recorder’ preto que ganhei do meu pai (o melhor presente ganho até hoje).

Quantas tardes de sábado, quantas noites no intervalo das aulas, a galera se reunia para escutar nossas mix tapes. Eu passava o final de semana todo escutando programas de rádio para ver se uma nova música era lançada. Sabia de cor e salteado todos os horários dos melhores programas de rádio (em especial o inesquecível Ritmo da Noite da Jovem Pan mixado pelo grande DJ Iraí Campos). Dentre outros que me lembro tinha também a rádio Mundi de Ponta Grossa, a Atlântida de Blumenau, a Nova Era de Mafra, a Transamérica, etc.

Depois de passar um tempo vendo minhas fitas cassete e relembrando dos amigos e festas do passado, perguntei para a minha mãe onde estava meu toca-fitas preto, o mesmo onde eu escutava as minhas mix tapes. Para a minha enorme surpresa, ele ainda funciona. Não pensei duas vezes, peguei as fitas cassete, sentei na varanda da frente da minha casa como eu fazia antigamente, levantei o volume e curti os grandes clássicos dance dos anos 90 que tiveram grande importância em minha vida. Para os saudosistas, farei set lists das músicas que eu gravava. Que saudade, curtam o som.

Bandido – I drove all night

G.E.M. – I feel you tonight

Taleesa – I found love

Ice MC – Think about the way

Twenty Four Seven – Slave to the music

Whigfield – Saturday night

DJ Bobo – Somebody dance with me

Co.Ro feat Taleesa – For your love

Double You – Heart of glass

Twenty Four Seven – Take me away

Andrew Sixty – Oh Carol

Aguardem que tem mais, é muita música.

Sangue latino

Alguns encontros que temos na vida suscitam algumas lembranças de nossa adolescência, foi assim no último encontro que tive com mi passione. Durante o divertido e caliente encontro (ela estava espetacular com uma leg vermelha rs), enquanto caminhávamos observando o frio cotidiano de uma metrópole, eis que ela me questiona: – Sabe, acho que não mereço todo o seu carinho, tudo o que você faz por mim!

Ah! Os jogos do amor! Recostei sua cabeça no meu ombro, disse baixinho: – Vem cá com teu macho! Meu anjo, quando eu gosto, não gosto pela metade, me atiro de corpo e alma. Afinal, tenho sangue latino correndo nas veias!

Ela pra me atiçar replica: – É! mas você é tão calminho, teu olhar transparece muita serenidade!

Respondi: – Sim sou calmo mas nem por isso deixa de correr paixão no meu sangue, você sabe disso melhor do que ninguém. Deixa eu te contar uma história!

Para começar vou explicar um pouco da personalidade que herdei dos meus pais. Meu pai, homem trabalhador, metódico, sangue quente. Minha mãe, não sabe dizer não, introspectiva e serena. Ambos, pessoas que primam pela simplicidade. Creio que minha calma foi adquirida porque passei mais tempo com a minha mãe. Dito isto, vamos a recordação da primeira frustração amorosa que tive em minha vida.

Tinha 14 anos, CDF com generosas pitadas de peraltiçes, magricela e ponta esquerda da equipe de futebol da escola, puberdade, testosterona e desejos à mil ( hoje continua do mesmo jeito, ainda bem!).

Morremos em vida quando perdemos nossas paixões e desejos.

Diante do espelho ,como quase todo garoto nesta idade, contemplava os primeiros fios de bigode que começavam a nascer em meu rosto, bigode este que cultivei por longos anos. Não tinha problemas em me expressar, fui até orador de Semana da Pátria, exceto, com as meninas no que tangia aos sentimentos do coração, me borrava de medo (hoje ainda tenho certos medos, mas, em escala muitíssimo menor). Timidez esta talvez devido à minha aparência física, que, digamos assim, não era nenhum ‘don juan’ e nem popular afetivamente com as meninas (hoje por incrível que pareça estou bem melhor, ufa, ainda bem). Minha timidez amorosa foi superada pouco tempo mais tarde, a vida se encarrega destas coisas (rs). Desde pequeno tive meus momentos introspectivos e ‘dores’ causadas por paixões platônicas.

Como nos contos românticos, o feio atrae-se pelo belo. Tinha tudo para dar errado. E na época deu! Anos mais tarde houve um ressarcimento (rs).

A causa de tudo: ela, 15 anos, corpo esbelto, cabelos castanhos longos e encaracolados, moça que adorava ser o centro da atenção de todos, cobiçada por todos os meninos do colégio. Como mencionei no início do texto, me entrego de alma e coração pelo que faço. Fazia algum tempo que nutria uma paixão avassaladora por ela. Sempre fazíamos os trabalhos escolares juntos. Tinha um medo terrível de dar um passo a mais com ela. O tempo foi passando até que num belo dia houve uma festa junina no galpão da escola, foi a gota d’água.

Lembro-me perfeitamente. Fazia frio, já tinha tomado umas batidas de amendoim (rs) que a gurizada tinha comprado (escondido é claro). A cabeça começou a esquentar, o corpo tomando coragem, pensei comigo: é hoje! Estufei o peito, estava tocando esta melodia (minha memória musical é excelente), comecei a procurá-la pelo galpão. Não devia tê-la procurado, quando a vi meu coração quase parou de tanta dor. Lá estava ela, lindíssima de vestido, aos beijos com um garoto cafajeste-popular que estava na festa. Depois foram apenas flashes, a confusão estabelecida, os socos e pontapés mútuos, aquelas palavras afiadas sendo cravadas em meu peito (você é apenas meu amigo!), o banho gelado para curar o porre que tomei depois (tsctsctsc o primeiro porre foi por causa de uma mulher). Minhas lágrimas misturadas à água que escorria pelo meu rosto, minha voz rouca gritava o nome dela ininterruptamente. Putz, e não foi a única vez que chorei por uma paixão platônica, anos mais tarde, adulto já, me aconteceu nos mesmos moldes (por isso parei de beber em excesso).

No final do ano perdi o contato com ela pois mudamos de colégio, eu continuei estudando no bairro e ela foi estudar no centro da cidade. Muitos anos mais tarde, o tempo, ah o tempo, proveu-me um valoroso ressarcimento.

Matriculei-me num curso de matemática financeira e departamento pessoal, na primeira aula quem eu vejo adentrar a sala de aula! Justamente ela, lindíssima como sempre. Nas primeiras aulas não dei nenhuma atenção para ela, mas, não guardei mágoas, afinal a história ocorrida entre nós foi por causa dos ímpetos da adolescência.

Com o passar do curso notei que ela passou a me ver com outros olhos, talvez pelo meu destaque na sala e pela minha facilidade com os números (Santos números, algumas vezes ajudaram-me na vida). Ela foi se aproximando de mim e num belo dia convidou-me para auxiliá-la em sua casa. A sorte tinha mudado e sorrido pra mim.

Tarde ensolarada, cheguei, fui muito bem recebido com iogurte de morango e começamos a estudar na sala. Fui político só para ver como ela reagia, não demonstrei interesse, mas percebi pelos seus olhares que ela me queria. Aha, pensei, agora é a minha vez.

De repente ela disse pra gente ir estudar em seu quarto que era mais confortável. Detalhe, só estava ela em casa. Quando vi aquela bela cama muitas cenas eróticas se passaram na minha cabeça. Suspirei forte e me contive.

O tempo passando, ela volta e meia mexendo em seus cabelos, tocando propositalmente meus ombros e mãos, quase chegando a hora de irmos para o curso. Então ela resolve ir tomar banho e utiliza de uma técnica que derruba qualquer homem.

Lá estou eu sentado na cama esperando ela tomar banho, quando ouço: viu, você pode me trazer uma toalha que acabei esquecendo? Pensei: seja forte, seja forte! Chegando no box para lhe alcançar a toalha, vendo-a molhada, nuazinha em pêlo, sucumbi a tentação (rs). Foi tórrido e inesquecível.

No decorrer do restante do curso sempre houve estudos à tarde (rs). Certamente que foi um dos melhores curso que eu fiz. O curso terminou, pouco tempo depois entrei na faculdade, ela casou-se e tempos depois teve um filho (não meu rs).

Terminei de contar a história para mi passione, notei que estávamos rindo da situação quando ela me falou: nunca pensei que você fosse capaz disto! Cheguei mais perto dos seus lábios e sussurrei: pra você ver como ainda tenho alguns mistérios, vem cá, deixa eu te aproveitar enquanto eu posso. Colamos nossos lábios fervorosamente.

Hoje, sei que nossa vida é feita por ciclos. Temos alegrias e tristezas nestes ciclos, não somos donos de ninguém e não podemos exigir nada de ninguém. Por isso temos que aproveitar ao máximo os momentos que passamos com quem amamos.

Testemunhas

Dia dos Namorados. Acordo as seis da matina, faço minha barba cantando baixinho uma melodia. Um perfume básico, visto minha camiseta cor ameixa (rs) e vou para o centro de Curitiba. Uma mensagem contendo apenas alguns caracteres: café com leite + misto quente + surpresa? Te espero na praça!!!

As ruas ainda vazias, adentro em duas lojas, adquiro as surpresas, caminho um pouco, chego na praça, sento num banquinho e fico a observar os pombos fazendo coreografias nas árvores.

Eis que meus olhos alegram-se vislumbrando seus lindos cabelos loiros vindo em minha direção. Mirei-a de cima até embaixo observando cada detalhe do seu lindo e jovial corpo ornado com uma calça de couro preta que quase mata o véio. Aquele abraço apertado de boas vindas, aquele beijinho na bochecha e aquele sorriso apaixonante.

Adentramos uma lanchonete, nos servimos e fui retirando as testemunhas da sacola. Um ursinho de pelúcia com roupa rosa escrito I Love You em sua barriga, um sapinho divertido e uma caixinha de chocolates em formato de coração. Vi que as moças da lanchonete suspiraram. Ela me olhou, juntou suas mãos com as minhas e me presenteou com seu hipnotizante sorriso. Mas ainda faltava mais uma testemunha.

Após o café saímos pela rua XV caminhando alegremente. Eu feliz igual moleque que ganha bola nova de presente. Voltei cantando a mesma melodia quando estava fazendo a barba. Eis que ela começa a me acompanhar na cantoria. Um pouco a frente, ‘roubo’ uma flor amarela do canteiro e entrego para ela. Ela timidamente me falou: você me enchendo de presente e eu não te dou nada. Respondi prontamente:

Meu maior presente é ter a honra de tua companhia.

Fui agraciado com mais um sorriso e um beijo de quero mais. Não é preciso grandes gestos cinematográficos para demonstrar amor. O amor está contido em pequenos gestos de carinho que fazemos diariamente, seja uma mensagem bonita ou uma flor roubada do canteiro. Outra coisa: quem ama demonstra o seu amor, não apenas no Dia Dos Namorados, mas em qualquer momento.

Feliz Dia Dos Namorados à todos!!!

Fragmentos musicais

Já escrevi diversos posts aqui no meu cantinho ressaltando a importância que as músicas têm em minha memória, em minha vida. Ouvir uma boa música certamente que nos faz lembrar de ótimos momentos e ótimas fases vividas em nossas vidas. Existem aquelas que nos lembram de lugares, aquelas que nos lembram de pessoas, etc.

Como sou fã incondicional de música antiga (na verdade a música ultrapassa o conceito de tempo), principalmente anos 80. Eu era meio que o DJ da nossa rua e regularmente fazia set lists que gravava para os amigos como mencionado aqui neste post. Afaste o sofá para o lado e curta mais um set list.

Joy – Cheek To Cheek

Human League – Human

Tina Charles – Dance Little Lady Dance

Rick Astley – Never Gonna Give You Up

Billy Idol – Dancing With Myself

ELO – Last Train To London

Tina Turner – Simply The Best

Roy Orbison – I drove all night

Roxette – Sleeping In My Car

Blondie – Heart Of Glass

Um sonho inacabado

Era uma típica noite de outono nalguma cidade europeia, Praga talvez. A calçada estava repleta por folhas amarelas. Caminhando por entre as estreitas ruas, a calça jeans surrada, a camisa verde estilo militar, os óculos escuros ‘a la’ Top Gun. Eis que vultos surgem por entre uma janela semi-aberta. Ele pára, curioso que é, chega de mansinho perto da janela e os seus olhos se enchem de beleza com uma tórrida cena.

Ele vislumbra uma grande mezzanino em couro negro com formato oval. A garrafa de champagne dentro de um balde de gelo. Sentada num sofá charmoso uma loira escandinava, pernas cruzadas, cabelo channel, vestida com um elegante tailleur segurava elegantemente um copo de champagne que estava com líquido pela metade. Ele ouve alguns gemidos dando corpo aquela noite. Seus olhos mudam de foco e presenciam uma cena inesquecível.

No centro do mezzanino vislumbra duas ninfetas nuas, os cabelos longos presos em forma de trança, uma loira, outra morena, os corpos transpirando jovialidade e convites prazerosos. Ao fundo uma vitrola moderna tocando um belo instrumental. A hábil língua da loira desliza pelo corpo da morena que está a sua mercê. Passeia do lóbulo da orelha até o meio de suas pernas. Ele começa a transpirar. No átimo seguinte ele está no meio do mezzanino, a loira degusta um gole de champagne e avalia todo o seu corpo com o seu olhar. Ela olha para as duas que entendem à sua ordem.

Aproximam-se do homem, enquanto a loira retira o zíper de sua calça a morena agracia-o com fervorosos beijos. Seus óculos são postos ao lado do balde onde está a garrafa de champagne, sua camisa é arrancada ferozmente, ouve-se o som dos botões caindo no chão. Elas lambem suas orelhas, ele permanece imóvel. A loira que observa a cena pousa um dedo no champagne e começa a se masturbar em sua frente. Elas agora atacam seu forte pescoço com mordidas, brigam por cada centímetro do seu peito, descem com a língua em sinuosas curvas por sua barriga. Um leve beijo em seu membro ereto, as mãos dele em suas cabeças segurando os seus cabelos.

Ao longe, o som instrumental é cortado por um nervoso riff de guitarra. 6h20. Que m… meu celular me desperta, vou ao banheiro, uma água fria no rosto e um copo de água gelada. Preciso terminar este sonho. E desta vez vou desativar o alarme do celular.

Um dia inesquecível

Existem dias que perpetuam-se em nosso coração.

Aquela mensagem cedinho com aqueles simples caracteres dizendo: hoje eu preciso tanto de você. O coração palpitou mais forte, o banho assobiando feito um canarinho cantando à sua amada parceira. O passeio junto ao seu lado contemplando as belezas de um dia de verão. Duas vitaminas de morango e incontáveis porções de sorrisos e gestos de carinho.

As mãos unidas em perfeita simetria. Os dois na casa dos trinta (ela perto, ele já passou quatro) feito um casalzinho adolescente. Os beijos e amassos no elevador. O quarto à nossa espera, o tempo à nosso favor, tudo em perfeição. Calmamente sintonizo uma estação romântica e somos agraciados por esta bela melodia. Suas delicadas e hábeis mãos desabotoam minha camisa, lentamente, botão por botão, beijo por beijo. Sua pele bronzeada com aquela marquinha sensual. Sua calcinha com detalhes de pimenta. A banheira de hidromassagem à nossa espera.

A água enchendo lentamente na temperatura ideal. Você entra posiciona-se confortavelmente e olha-me. Eu, como menino que ganhou uma bola de aniversário, explodindo de alegria e desejo posiciono-me ao seu lado. As espumas moldando meu peito e seus seios. Nossos risos aproveitando aquele momento único em nossas vidas. Aquelas brincadeiras que sempre sonhamos fazer numa banheira de espuma. O ápice de prazer. Pertencíamos a outro mundo, outra dimensão.

O almoço desgustado em sua divina e divertida companhia. O convite para passear no Parque Barigui. A cena do pássaro mergulhando e voltando com um pequeno peixe em seu bico. O descanso, a conversa com você deitada em meu colo com uma frondosa árvore por testemunha. Aquele silêncio quebrado apenas pelos pássaros que faziam seu ninho. Aquelas promessas e planos para o futuro. Aquele beijo de despedida por mais um dia divinamente vivido.

Aiai, gostei e quero mais!!!

Banho à dois

Estava eu sentado no banco da Praça Tiradentes. Fazia muito calor, fiquei por um tempo observando um destes artistas de rua que fazem nomes com linhas de aço. Pouco tempo depois, eis que minha valquíria loira surge. Um jeans colado ao seu corpo, uma camiseta com estampa infantil (rs) e um lenço no pescoço que proporcionava todo um charme especial.

Conversamos sobre algumas coisas alegres e divertidas. Rumamos em direção à um motel para aproveitarmos melhor um ao outro. Como mencionei estava fazendo muito calor. Começamos a nos despir lentamente, alguns beijos ardentes e cheios de carinho. Sua calcinha preta arremessada certeiramente no cabide. Minha cueca nos meus pés enquanto recebia beijos e mordidas por todo o meu corpo.

Ela pegou uma toalha. Eu peguei meu celular e coloquei um set dançante dos anos 80. Quando ouvi os primeiros acordes desta melodia cantada por um dueto dinamarquês (rs),  convidei-a para bailar comigo e falei pra ela: – nossa, está me recorda grandes momentos. Ela com seu jeito todo sexy me responde: – é seu safado, nunca pensei que você já tinha dançado pelado alguma música. Eu cai na gargalhada e falei: não, nunca fui stripper, olha aqui, nem corpo tenho pra isto. Ela riu pra mim e juntou-me junto ao seu corpo nu e disse baixinho no meu ouvido: pois pra mim está perfeito, vem tomar banho comigo.

Como recusar um pedido destes. Enlaçei-a por trás e carreguei-a até o box. Regulei a temperatura e a quantidade de água. Ela prendeu o seu cabelo com algumas presilhas coloridas. Peguei um sabonete e começei a passar sobre os seus maravilhosos seios. Ave-maria meu nível de tesão foi as estrelas. Ela vendo minha virilidade tomando forma, pegou o sabonete e ensaboou meu peito descendo suavemente pela minha barriga até chegar ao meu rubro e ereto membro. Quase gozei. Colamos nossos corpos embaixo do chuveiro. Percorri suas nádegas cheias de espuma de sabonete, com suaves movimentos, encaixei minha mão no meio de suas coxas e senti que ela se arrepiou todinha. Mordisquei seu pescoço e orelha. Ela massageava meu ereto membro enquanto me beijava fervorosamente.

Não estávamos aguentando mais. Nos enxugamos rapidamente. A música tinha mudado. Dancei sedutoramente pra ela (bom tentei pelo menos rs) entoando os refrões. Derrubei-a na cama e o resto fica na imaginação de vocês.

O silêncio de dois amantes

No quarto apenas dois corpos nus extasiados de prazer. Os olhos fechados, a respiração ainda ofegante, seus sedosos cabelos cobrindo meu peito, minhas mãos roçando suas costas.

Apenas dois amantes, sem ligar para o tempo, para os problemas, em um silêncio de satisfação mútua. Um belíssimo presente de final de ano, tê-la cochilando serenamente sobre meu peito.

10 minutos passados, ouço sua doce voz concedendo-me mais uma obra prima para os meus ouvidos. Entoava baixinho no meu ouvido com aquele tom de voz sensual e provocante uma linda melodia (Maná – Si no te hubieras ido). Sabem aqueles momentos que você desejaria ser um deus e parar o tempo.

O silêncio dos dois amantes foi quebrado de forma inesquecível. Palavras me faltam para descrever esta cena, fica a alegria de tê-la vivido.