À chuva, ao dia, ao vento, filosofia

Tarde chuvosa em Curitiba, um vento frio espalha as folhas da pata-de-vaca, as ruas quase desertas parecendo cidade do interior, de outra época (Idade Média?), o casal de canários comendo quirera no galho do pessegueiro, uma calma, um silêncio na casa, uma semana de férias, no celular escolho Cranberries – Just My Imagination.

Uma possibilidade te restringe de outras inúmeras possibilidades.

A vida é assim. Eu escolhi ouvir Cranberries neste momento, mas poderia estar ouvindo Teodoro & Sampaio, Kid Abelha, Stones, Enya, Alan Jackson, Caruso (bom foram os nomes que me vieram à mente). Paro esta analogia por aqui que isto rende outro post.

Pensativo (que novidade?), debaixo das cobertas, nada de interessante na TV, degustando uma canjica com leite, lendo O Arquipélago II (Érico Veríssimo, O Tempo e o Vento). Me senti um pouco Floriano Cambará com suas argumentações sobre o seu eu, sobre se o estilo de vida está correto (perguntas! perguntas!).

Sabe a chuva ajuda a reflexão: quanta coisa deixei de fazer antes de vir para a big city. Aprendizagem creio que seja a palavra correta.

Estava me lembrando de uma tarde chuvosa onde mi passione e eu ficamos embaixo das cobertas aquecendo um ao outro, ali deitados querendo que o tempo parasse, que os segundos passassem mais devagar, somente nós dois como Adão e Eva sem ninguém mais em nosso mundo. Doces lembranças. É seu o meu coração.

É, a chuva me deixa nostálgico, romântico e utópico. Mas, utopias que foram realizadas, outras quero concretizar em médio prazo. Sabe aqueles dias que parecem parar no tempo, então, hoje (21/07/11) parece um destes dias, uma “tranquilidade”, um clima chuvoso, guloseimas, ótimas e inesquecíveis lembranças.

Quantos dias chuvosos eu passava ouvindo músicas lembrando das paixões da minha vida. E como é bom ter histórias para lembrar, é a prova de que vivemos.

Pensamento

Assisitindo aos noticiários do final de semana, quase unanimidade que o assunto era sobre o terremoto no Japão. Eis que me veio este pensamento:

A vida é uma minúscula fagulha na infinitude da eternidade.

E justamente por este fator que ela é especial. Devemos ser fortes para encarar as dificuldades, ter sabedoria para apreciar as gotas diárias de felicidade. Se alguma coisa te faz feliz (pode ser comer rollmops com chocoleite rs), DO IT, não ligue para o que “a sociedade” vai dizer de suas loucuras, afinal você viveu!!!

Quantos sonhos foram ceifados, quantas pessoas vão ver a vida de outra maneira. Claro que não podemos fazer tudo aquilo que desejamos, mas o importante é correr atrás, bom do meu final de semana sobraram muitas belíssimas recordações, um joelho machucado e o dedão do pé direito quase quebrado, mas eu VIVO.

Palavras ao vento

tarde abafada na capital paranaense… desço do carro… andar uns três quilômetros… alguns goles de água… X5 prata na avenida… fusca 77 na viela… barulho… retroescavadeira na esquina… moço que horas são? pai andando com a filhinha… mochila rosa… sirene da fábrica… três moleques no parquinho… pista de skate vazia… meninas e bonecas no gramado… tio me dá uma bala? jogo de futebol… campo de areia… goool… poluição do rio… bêbado fazendo simpatia… pipa solitária a bailar no céu nublado… carrinho de bebê… chuviscos para refrescar… sombrinha florida… saída do colégio… psiu linda morena… subida íngreme… chego em casa… cachorro vem ao encontro… tia fazendo o jantar… aipim frito… vitamina de banana… tio ponteando o violão… dentes escovados… barba feita… banho tomado… preçe pelo dia… deito-me… enfim o silêncio…

O cachecol rosa

Quase todo dia cedo, cerca de 7:30 da matina encontro a senhora de cachecol rosa. Sempre vou com um litro de água para hidratar o corpo durante o trajeto. Ela costumeiramente passa por mim, me diz bom dia e sempre me diz: hoje trouxe água né. Pois alguns dias eu esqueço da água. Replico: e a senhora somente no cafézinho né. Ela sempre leva um litrinho com café. Uma pessoa marcada pelo tempo, visto seu rosto com rugas e expressões fortes de uma pessoa que batalhou muito pela vida. Uma pessoa bacana em meio a calada multidão que perambula pelas ruas curitibanas. Vou me lembrar dela pelo seu cachecol rosa, sua proteção contra o frio. Interessante que ela às vezes me diz: não está com frio não? Já que eu sempre estou de camisa. Mais um exemplo simples de como o cotidiano pode ser divertido

A princesa e o plebeu

Será que um mero e simples sonho pode vir a tornar-se realidade?

Sentado no banco da praça. Clima ameno na cidade. Sol enfeitando a bela manhã. Mulheres passeando com seus animais de estimação. Casal de idosos passeando juntos. Pássaros cantando alegremente sobre a estátua. Frondosas árvores deixando o ar mais agradável. Feirantes montando seus stands. Hippies vendendo seus artesanatos. Muitos turistas,trânsito intenso. Aproveito para registrar um prédio histórico em fotografia.

Eeis que meus olhos podem vislumbrar ao longe minha princesinha loira.

Coração acelerado, vejo-a ao longe, seus cabelos ao vento, esvoaçantes, brilhosos. O sol a destaca em meio à multidão fazendo uma ode à sua beleza. Andar compassado, corpo atlético demonstrando toda a jovialidade de uma deusa. Ela caminha ao meu encontro, levanto-me, toco com meus lábios seu perfumado e escultural rosto. Nossos braços entrecruzam-se num tenro e caloroso abraço.

Sorriso único, hipnotizante, eterno. Olhar direto, sensual, provocante. Lado a lado, irradiando alegria, andamos e conversamos alegremente. Perfume que sempre estará presente no meu corpo e nos meus pensamentos.

O mero plebeu desfila com a linda princesa pelas ruas curitibanas não sabendo se é sonho ou realidade, deixa fluir naturalmente. Adentramos um café, sentamos frente a frente e fico hipnotizado por sua conversa. Cada frase dita por seus lábios soa suavemente aos ouvidos. Risos, muitos risos preenchendo o ambiente.

Algumas histórias contadas, algumas filosofias sobre a vida. Chocolate quente ótimo para saciar o paladar. Segundos passando rápido demais, plebeu querendo agradar prometendo uma surpresa. Princesa divina fitando-o com os olhos. Ao final fica a lembrança de um ótimo e agradabílissimo encontro e o plebeu ainda não acordou do sonho.

E por favor, não o acordem tão cedo… deixem-o sonhar…

A saturday schedule

Mais um belo sábado na capital paranaense

6:00 AM – acordo ao som de Elvis Presley – Suspicious Minds
6:30 AM – lavo a louça pra tia… poxa como pode acumular tanta louça?
7:00 AM – limpo o banheiro e piso inferior. rapaz prendado é outra coisa
7:35 AM – banho frio pra “acalmar os hormônios” e fazer bem a pele
8:00 AM – ônibus para o centro
9:00 AM – Café Zero, Praça Tiradentes, um pingado mais três pães de queijo
10:00 AM – Compro três pedaços de bolo, vou à casa de um amigo da universidade
11:30 AM – vamos ao Mercadorama comprar algumas coisinhas para o almoço
12:00 PM – almoço típico peruano, bom, muito bom
2:30 PM – de bobeira pela XV vendo a mulherada. Deus foi generoso com esta cidade, pena eu ser feio e tímido
4:00 PM – encontro caliente com uma dama. espetacular. deixei um bolo de fubá pra ela
5:30 PM – compro três cachorros de bexiga para umas crianças. fiz feliz um final de semana de três crianças
6:00 PM – ônibus pra casa… lotado
7:20 PM – vitamina e exercícios para os músculos
8:00 PM – vou dormir. é durmo bem cedo

E lá se foi mais um belo dia que não volta mais

One day in Curitiba

Sábado, 04 de abril… acordo cedo, 6:30 da matina… físico pedindo para trabalhar, peço os produtos de limpeza para a minha tia… Ao som de Dire Straits – Walk Of Life começo a limpar o piso inferior da casa… primeiro o banheiro, depois sala e finalmente a cozinha… sozinho em casa… um pouco de musculação para fortalecer os braços… Sol aparecendo sutilmente sob as nuvens… faço o almoço… almoço sozinho… Como eu queria uma boa companhia para almoçar comigo, mas tudo tem o tempo certo.
Após o almoço, separo uma roupa social para ir à um compromisso no centro da cidade… banho gelado… tiro a barba… visto-me rapidamente para não perder o ônibus. várias pessoas diferentes no ônibus: desde a avó com seu netinho até o pequeno garoto pedindo esmola para ajudar a mãe… deveria estar estudando, mas isto é assunto para outra história. Dia movimentado… Sirenes de ambulância, trânsito intenso… concessionárias repletas de pessoas… e depois reclamam da crise… após uma hora de viagem desço na Praça Tiradentes…
12:00, belíssimo dia, céu azul… passo no banco tirar uma graninha… sigo pela famosa Rua XV de Novembro em direção à Boca Maldita. Vários momentos interessantes… o jovem casal trocando carícias sentados perto de uma fonte de água… as estátuas vivas ganhando a vida submetendo-se ao sol escaldante… os palhaços tirando risos das pessoas… um belo mix de culturas… negros, brancos, orientais, muita mulher bonita… oh cidade abençoada… exposição de quadros pertinho da Boca Maldita, vários estilos… as moças de vermelho e seu teatro… o escultor de fios de metal… o escultor de bexigas com seu cachorrinho alegrando a jovem menina… os jogadores de tênis de mesa, as crianças jogando ludo, a partida de xadrez… feira de Páscoa na Boca Maldita…difícil escolher um mimo em meio à tantas opções…
12:20, compro um sorvete para refrescar, volto pela XV… cruzo a Marechal… sigo pela XV… artistas de rua… o hábil tocador de flauta, a dupla caipira, o tocador de acordeon, a vendedora de bilhetes de loteria, o deficiente com braço de plástico tocando violão e cantando… a concorrência de restaurantes populares através dos seus interlocutores marketeiros, cada um com seu jeito peculiar…
12:40, recebo confirmação do meu encontro… volto em direção ao Largo da Ordem… bares começando à movimentar… 13:00, passo inesquecíveis momentos com minha companhia, após cada um segue o seu destino… volto pelo Largo da Ordem… alguns turistas alemães tirando fotos… temperatura alta… chego tomar um chopp para refrescar… ambiente lotado… jovens, famílias, casais… compro um presentinho com um daqueles vendedores de brinco… ligo à um amigo… vou até o seu apartamento… conversamos divertidamente…
17:00, pego novamente o ônibus… cheio de estudantes… vou conversando com uma agradável companhia até o meu destino final… pra finalizar o dia, converso com minha tia, tio e prima… depois jantar leve e vou dormir cedo… e agora, 07:30 da manhã, cá estou terminando este post