O preço de estudar

Cá estou eu, fazendo hora extra, putz trabalhar das 22:00 hr de sexta até 14:30 hr de sábado é pra quem é homem com H maiúsculo. Viu, quem mandou não estudar, kkk, o bom humor eu não perco jamais.
Noite longa, pouco serviço, acesso alguns sites que falam sobre tecnologia da informação. Amanhece o dia, ligo para uma grande amiga que fiz aqui em Curitiba. Conversamos sobre diversas coisas, chegamos ao ponto de estudo. Falamos em pós-graduação, MBA, etc e tal, despedi-me dela e fiquei matutando aqui comigo. Estudar hoje em dia (superior e pós superior) é coisa pra quem tem dinheiro. Que tremenda injustiça. Eu sempre estudei em escola pública, universidade pública, porque meus pais não tiveram e não têm condições de pagar estudo, afinal, já me deram coisas muito mais valiosas: amor, respeito, dignidade e humildade.
Como sou uma pessoa proativa sempre penso em fazer mais cursos, em evoluir intelectualmente, mais vendo o valor que é cobrado pelas universidades, fica quase impossível estudar. Um curso que eu desejo fazer custa apenas 13 parcelas de R$800.00 (e este é o mais barato), ou seja, maior que o meu salário. Quantas pessoas ficam presas, desistem dos seus sonhos, quantos excelentes profissionais o mercado perde por causa de preços altíssimos de cursos. É vivemos na sociedade da exclusão, quem nasce em berço de ouro estuda, os outros, raríssimas exceções, conseguem estudar com muito esforço e sofrimento (aqui me incluo com muito orgulho).
É desestimulante ver tantos cursos que você gostaria de fazer e não ter provisões financeiras para tal (tudo bem que gastei muito dinheiro com putaria, mas fazer o quê, sou lazarento de feio, tímido e só tenho esta opção). E com isto continuamos perdendo excelentes profissionais pela falta de incentivo e melhores políticas de apoio ao ensino. Óbvio que melhoramos muito ao passar destes anos, mas ainda falta muita coisa por fazer. E por isto, por um bom tempo, ainda vou continuar sendo servente de pedreiro filósofo, assim é a vida, alguns têm tudo e nunca sofreram para tal, outros tem o mínimo para sobreviver conseguido com suor e sangue. Mas, o grande homem é aquele capaz de superar-se nas maiores dificuldades (que diga eu que por diversas vezes tive de andar duas horas a pé até em casa porque não tinha $$$ pra pagar o ônibus, bom pelo menos minhas pernas ficaram muito fortes rsc).
Eu mesmo, já me abstive de fazer muita coisa, por duas razões: preciso ajudar a família financeiramente e também porque pra mim, títulos pouco dizem para o valor de um ser humano. Prefiro ser um simples e honesto mortal do que um “PhD” hipócrita.
Anúncios

O dinheiro pode comprar tudo?

A idéia de que o dinheiro pode comprar tudo principalmente numa sociedade capitalista pode ser verdade, mas é uma verdade relativa. A “classe dominante” pode ter e fazer de tudo e para esta classe só existe quem possui muito dinheiro no bolso.
Para esta classe a felicidade consiste em comprar caríssimos perfumes parisienses, comprar o exclusivo terno italiano, comprar um carro importado de última geração, as horas de sexo com modelos ou pessoas famosas no dito “meio social” (quanto será que uma ex-BBB cobra?), o apartamento triplex no bairro mais caro da cidade. Esta “felicidade” é imposta pela sociedade diariamente pelos diversos meios de comunicação e é quase impossível fugir desta “realidade virtual”.
No entanto, a verdadeira felicidade não pode ser comprada nem por todo dinheiro deste mundo (jargão antigo, mas na minha pequena concepção ainda é válido). Por exemplo, o dinheiro pode comprar “amigos”, mas a verdadeira amizade jamais conseguirá comprar. Pode comprar tudo o que tem de melhor, mas não é capaz de comprar apenas um único sorriso verdadeiro.
Quem possui muito dinheiro corre o risco de sua vida perder o sentido (quantas pessoas bem-sucedidas financeiramente cometeram suicídio), ao contrário das pessoas menos providas de capital que vêem nas pequenas coisas que conquistam com muito esforço e suor a verdadeira essência do viver.
É claro que o dinheiro é importantíssimo para todos, mas não devemos deixar que domine nossa mente, pois estas serão pessoas sem ética e caráter algum que passam por cima de tudo e de todos para conseguirem seus objetivos.
A maioria das pessoas, hoje, não se preocupa com sua felicidade, mas com que as outras pessoas vejam em seu “status social” a sua felicidade. O famoso superego que Freud já explicava.
Nada mais natural do que ser infeliz numa Mercedes importada do que ser feliz num FIAT 147. Você pode me perguntar: quem tem uma Mercedes não pode ser uma pessoa triste, mas existem inúmeros casos que provam o contrário, basta ler livros de psicologia e psicanálise. Pessoas que possuem tudo o que o dinheiro pode comprar, menos as duas coisas mais importantes desta vida: a saúde e a verdadeira amizade. A amizade é ainda mais importante para estas pessoas que desejam um amigo que possam compartilhar suas vitórias e fracassos sem que estas tenham em mente algum benefício em troca de sua “amizade”.
Um belo exemplo é de um lavrador norte-americano que foi questionado por um grande magnata sobre o que era felicidade para ele. Sua resposta foi a seguinte: “Felicidade é acordar todo dia cedinho, ouvir o cantar dos pássaros, beijar a mulher e os filhos, cortar a lenha para fazer fogo e esquentar a água para o café, cuidar da lavoura, dizer bom dia aos vizinhos, reunir todo dia a família para jantar e agradecer pelo “feijão com arroz” de todo o dia.
Moldamos a felicidade, quer queiramos ou não, a mídia sorrateiramente impregna isso em nosso subconsciente, pela fortuna material que possuímos. Se for assim, estou perdido. É a famosa e verdadeira constatação: quando mais se tem, mas se quer. Conjugamos o ver TER e não o verbo SER. Muitos passam pela vida apenas almejando cada vez mais e mais dinheiro, tudo bem, dinheiro traz comodidade e conforto, e esqueçem de viver. É só você verificar sua própria família que vai descobrir um caso assim. Sendo necessária a ocorrência de um fato extraordinário (normalmente doença incurável ou acidente sério) para mudar sua concepção de vida. E engraçado notar, o ser humano reage mais rapidamente à impulsos negativos.
Felicidade é fazer de cada dia um dia único em nossas vidas, sempre cultivar o bom humor e otimismo para o dia seguinte.
A verdadeira felicidade está nas pequenas coisas e gestos que fazemos diariamente para demonstrar para as pessoas o quanto elas são especiais para nós. Um abraço amigo, um sorriso verdadeiro, uma frase bonita, um ouvido para escutar os problemas de quem amamos, uma palavra de incentivo.
Portanto, não vamos deixar para amanhã o que podemos expressar para as pessoas que são especiais em nosso viver, pois este amanhã pode ser tarde demais.
“O verdadeiro homem feliz não é aquele que se entristece com as coisas que não tem, mas se alegra com as que têm”. (Epicteto)