Incógnitas

Algumas questões do cotidiano

Sapato ou tênis?
Meia branca ou preta?
Social ou esporte?
Carne ou legumes?
Channel ou cacheado?
1.0 ou 2.0?
Saio ou fico em casa?
Praia ou campo?
Hetero ou homo?
Loira(o) ou morena(o)?
Poupança ou bolsa de valores?
Freelancer ou agência? hehehe. não podia faltar
Direita ou esquerda?
Pilates ou poli dance?
Gasto ou poupo?
Hoje ou amanhã?
Calor ou frio?
Dia ou noite?
Namoro ou sexo sem compromisso?
Rock ballad ou sertanejo?
Batel ou CIC? hehehe. quem é de Curitiba vai entender
Comédia ou ação?
Fio russo ou peeling?
Ler ou ouvir música?
Inglês ou mandarim?
Um ou dois filhos?
Solteiro(a) ou casado(a)?
Padaria ou mercado?
Músculos ou intelecto? têm alguns Es aqui
Budista ou católico?
Guinness ou Skol?
Lique ou Atenas? quem é de Curitiba vai entender
Playboy ou Sexy? tem quem goste da G Magazine. hahaha
Futebol ou Novela?
Stephen Hawking ou Brad Pitt?
Apartamento ou casa?
Marina Silva ou Heidi Klum?
Camisinha masculina ou feminina?
Carro ou ônibus. aqui não tenho escolha. pobre é pobre, mas com bom humor
Arquitetura ou biologia?
Falo ou fico quieto?
Dinheiro ou felicidade? o ideal seria um E
Tento ou desisto?
Paixão ou amor?
Teatro ou cinema?
hopping ou comércio de rua?
Capital ou interior?
Ser ou ter? aqui muitos falam X e são Y

Anúncios

Filosofia de laboratório

Devagar vou relatar aqui algumas experiências muito interessantes que tenho e tive durante meu período como bolsista de universidade frequentando laboratórios de informática. Olha é cada uma que vocês não acreditam. Bem, vamos a primeira:

Hoje, 25/06/09, depois do almoço no RU, voltei para o laboratório, atualizei meus emails, acessei sites de notícias e cultura… passado um tempo, meu colega começa a conversar comigo… basicamente o teor da conversa foi o seguinte: às vezes o destino nos prega peças que somente muito tempo depois sabemos o real teor destas peças… muitas vezes, ficamos estagnados, seja pela comodidade que temos, seja pelo nosso salário… precisamos que de vez em quando um “furacão” atinga nossa vida para que despertemos… esta conversa foi muito propícia para mim, visto que o destino está querendo me pregar uma peça que vai mudar minha vida em muitos aspectos… confesso que estou com muito medo, mas sempre levei os desafios com motivação e otimismo… muitas vezes precisamos sofrer danos momentâneos em prol de um futuro melhor… estou num momento de uma decisão importantíssima em minha vida, envolvendo trabalho, estudo e relacionamento afetivo, e, justamente meu colega veio falar comigo a respeito disto… é as coisas não acontecem por acaso… só espero tomar a decisão correta.

Por mais difícil que seja o caminho, jamais desista, pois os caminhos mais íngremes e tortuosos nos levam as mais belas paisagens.

Se o mundo acabasse amanhã?

E se o mundo acabasse amanhã? Existe uma grande dilema que retumba pelos séculos na mente da humanidade:

Porque só corremos atrás de nossos objetivos e sonhos quando somos pressionados de alguma maneira para alcancá-los?

Um exemplo clássico é a famosa pergunta: O que você faria se você tivesse apenas mais um ano de vida? Em quase 100% dos casos, esta “pressão imposta” faz com que as pessoas falem de coisas que nunca pensaram em fazer em suas vidas. Ou seja, falam exatamente o contrário de toda a sua vida até aquele momento. Alguns dizem que vão viajar, outros passar o resto do tempo em uma ilha deserta, outros em expressar seus reais sentimentos pelas pessoas do seu convívio diário, outros fazer sexo com o maior número de mulheres até não aguentar mais e desfalecer. Nossa resposta deveria ser esta: “Apenas viver minha vida do jeito que eu a vivi até o dia de hoje”.

Isso faz refletirmos que a nossa vida é apenas uma gota minúscula no oceano da eternidade e o tempo é o nosso principal inimigo. Como diz o refrão:

O tempo voa rapaz, pegue o seu sonho rapaz, a melhor hora e o momento é você quem faz [Tony Garrido, Cidade Negra]

Portanto, por mais impossível que possa parecer ou que sejamos chamados de “utópicos”, devemos sim fazer todas as coisas que nos deixam felizes e dizer as pessoas de nosso convívio diário o quanto elas são importantes e fundamentais para nossa vida. Eu sei que é muito difícil para expressar nossas emoções e sentimentos, pois muitas vezes escutamos o que não gostaríamos de escutar e outras vezes temos que passar a imagem de força perante os outros homens. Mas, vale ressaltar, que os fracassos só acontecem com as pessoas que tentaram alcançar seus objetivos, que agiram e não ficaram paradas.

As pessoas mais bem sucedidas são aquelas que colecionaram muitos fracassos em suas vidas. O grande diferencial delas, que devemos seguir, é que cada fracasso sirva como estímulo para alcançarmos nossos objetivos. Não é mérito nunca ter caído, mas sim levantar cada vez mais forte após uma queda.

É difícil sermos otimistas depois de um fracasso, mas se tivermos pessoas que realmente se preocupem conosco e nos deem forças para vencermos as barreiras que surgem em nossa jornada, com certeza conseguiremos alcançar nossos objetivos e seremos felizes, que é o mais importante desta vida.

Uma grande lição que aprendi é a de que devemos expressar nossas emoções, estravassar nossos sentimentos para as pessoas que gostamos e, nunca deixar para depois o que pode ser dito, pois este depois pode ser tarde demais. A gente só percebe o quanto as pessoas que gostamos são importantes para nós quando estamos longe do seu convívio diário. Cada segundo que se passa parece durar uma eternidade e nosso coração fica angustiado.

Não acredito muito no destino, mas em certas ocasiões, ele nos prega peças espetaculares, que mudam nossa vida da água para o vinho. Existem circunstâncias e pessoas que conhecemos que fazem de nossa vida especial, feliz e única. Tipo aquelas coisas que acontecem em nossa vida que parecem cenas de cinema. Existem pessoas, no meu caso, uma em específico, que nem mesmo todas as estrelas do Universo podem ofuscar o seu brilho interior e a sua grande luz.

Vivamos, com dignidade e honestidade. Aproveitemos a vida enquanto podemos, com parcimônia, paixão, carinho, afeto e amor. Para que, quando nosso coração sucumbir e parar, possamos mentalizar: EU VIVI, ri, me apaixonei, chorei, dancei, pedi perdão, emocionei, fui emocionado, ajudei e fui ajudado.

Pequenas escolhas, grandes consequências

A long time ago, desde que o homem adquiriu o status de “homo sapiens” e o “livre arbítrio”, nossa vida é regida por transformações sócio-economica-culturais que moldam o rumo da sociedade e consequentemente de nossa vida.
Quando não podemos fazer nossas escolhas, nossos pais fazem para nós… Como saber se uma menina de quatro anos de idade realmente deseja fazer “ballet” ou um menino de quatro anos deseje ser jogador de futebol? Notamos que as escolhas são feitas, queiramos ou não…
Claro que uma atividade cultural-física é fundamental pra uma criança desenvolver princípios morais e formar um ótimo cidadão. Mas, cadê a infância, a época de descobrir coisas novas e não ficar preso à uma atividade específica.
Na adolescência, temos que fazer escolhas importantíssimas que podem mudar completamente o rumo do resto de nossa vida… Temos que saber, de alguma maneira, com nossa convicção aliada ao apoio de nossos pais, discernir as melhores escolhas para aquele momento de nossa vida…
Será mesmo que é legal consumir bebidas alcoólicas em excesso, ou será que pela pressão psicológica das pessoas fazemos isto (diga-se de passagem, algo muito comum de acontecer na adolescência, o famoso “maria vai com as outras”)…
Na dita vida adulta, as consequências tornam-se mais decisivas e impactantes… Algumas situações me ocorrem, ressaltando que se não fazemos as escolhas, os outros as farão por nós… Por exemplo, estou num trabalho que eu não gosto, gostaria de fazer outra coisa de minha vida… Vejo muitos casos nesta ótica. As pessoas ficam estagnadas, mas não fazem nada à respeito, não escolhem… Uma pequena escolha seria a de conhecer novas áreas da própria empresa ou de outras empresas, ver quais os pontos fortes, qual o grau de pertinência que você tem em relação àquela área pesquisada… Mas, o homem tende a ser passivo perante as coisas, não reage… Se reage, é quando as coisas estão fora dos limites…
Outro exemplo, estou numa festa, preciso voltar para casa de carro… pela influência dos “meus amigos” decido tomar um latinha de cerveja… pode acarretar num acidente com danos materiais e pessoais para mim e outras pessoas inocentes, muito comum hoje em dia.
Podemos citar outros exemplos simples que podem ter grandes consequências.
Pega o ônibus das 7h, ou espero o das 7h30. Esta simples escolha pode mudar a sua vida. Digamos que você escolheu o ônibus das 7h30, você adentra o ônibus, conversa com uma mulher, ambos tem afinidade, marcam um encontro depois, começam a namorar, noivam, casam, tem filhos e vivem uma belíssima história de amor. Tudo isso porque você fez uma simples escolha de horário que iria pegar o ônibus.
Você decide fazer um almoço diferente em sua casa. Convida uns amigos, dentre eles está um que deseja abrir um restaurante de comida típica. Vocês conversam e abrem um restaurante de muito sucesso…
Quando amadurecemos e chegamos à nossa velhice, é comum avaliar as pequenas escolhas que fizemos em nossa vida, tipo: se eu tivesse ido naquela festa, se eu tivesse dito aquilo àquela pessoa, se eu tivesse me mudado para aquela cidade, etc e tal… Temos que decidir, diariamente, desde o par de sapatos, como escovar os cabelos, o cardápio do almoço, etc e tal… E são estas decisões, que você não sabe quais consequências terão, que fazem da vida uma grande e grata surpresa. O novo sempre fascinou a mente humana, gostamos de novidades, a rotina nos mata vagarosamente, ficamos pessoas chatas e arrogantes…

É melhor decidir e errar, do que ficar a vida toda sem decidir nada.