A saturday schedule

Mais um belo sábado na capital paranaense

6:00 AM – acordo ao som de Elvis Presley – Suspicious Minds
6:30 AM – lavo a louça pra tia… poxa como pode acumular tanta louça?
7:00 AM – limpo o banheiro e piso inferior. rapaz prendado é outra coisa
7:35 AM – banho frio pra “acalmar os hormônios” e fazer bem a pele
8:00 AM – ônibus para o centro
9:00 AM – Café Zero, Praça Tiradentes, um pingado mais três pães de queijo
10:00 AM – Compro três pedaços de bolo, vou à casa de um amigo da universidade
11:30 AM – vamos ao Mercadorama comprar algumas coisinhas para o almoço
12:00 PM – almoço típico peruano, bom, muito bom
2:30 PM – de bobeira pela XV vendo a mulherada. Deus foi generoso com esta cidade, pena eu ser feio e tímido
4:00 PM – encontro caliente com uma dama. espetacular. deixei um bolo de fubá pra ela
5:30 PM – compro três cachorros de bexiga para umas crianças. fiz feliz um final de semana de três crianças
6:00 PM – ônibus pra casa… lotado
7:20 PM – vitamina e exercícios para os músculos
8:00 PM – vou dormir. é durmo bem cedo

E lá se foi mais um belo dia que não volta mais

One day in Curitiba

Sábado, 04 de abril… acordo cedo, 6:30 da matina… físico pedindo para trabalhar, peço os produtos de limpeza para a minha tia… Ao som de Dire Straits – Walk Of Life começo a limpar o piso inferior da casa… primeiro o banheiro, depois sala e finalmente a cozinha… sozinho em casa… um pouco de musculação para fortalecer os braços… Sol aparecendo sutilmente sob as nuvens… faço o almoço… almoço sozinho… Como eu queria uma boa companhia para almoçar comigo, mas tudo tem o tempo certo.
Após o almoço, separo uma roupa social para ir à um compromisso no centro da cidade… banho gelado… tiro a barba… visto-me rapidamente para não perder o ônibus. várias pessoas diferentes no ônibus: desde a avó com seu netinho até o pequeno garoto pedindo esmola para ajudar a mãe… deveria estar estudando, mas isto é assunto para outra história. Dia movimentado… Sirenes de ambulância, trânsito intenso… concessionárias repletas de pessoas… e depois reclamam da crise… após uma hora de viagem desço na Praça Tiradentes…
12:00, belíssimo dia, céu azul… passo no banco tirar uma graninha… sigo pela famosa Rua XV de Novembro em direção à Boca Maldita. Vários momentos interessantes… o jovem casal trocando carícias sentados perto de uma fonte de água… as estátuas vivas ganhando a vida submetendo-se ao sol escaldante… os palhaços tirando risos das pessoas… um belo mix de culturas… negros, brancos, orientais, muita mulher bonita… oh cidade abençoada… exposição de quadros pertinho da Boca Maldita, vários estilos… as moças de vermelho e seu teatro… o escultor de fios de metal… o escultor de bexigas com seu cachorrinho alegrando a jovem menina… os jogadores de tênis de mesa, as crianças jogando ludo, a partida de xadrez… feira de Páscoa na Boca Maldita…difícil escolher um mimo em meio à tantas opções…
12:20, compro um sorvete para refrescar, volto pela XV… cruzo a Marechal… sigo pela XV… artistas de rua… o hábil tocador de flauta, a dupla caipira, o tocador de acordeon, a vendedora de bilhetes de loteria, o deficiente com braço de plástico tocando violão e cantando… a concorrência de restaurantes populares através dos seus interlocutores marketeiros, cada um com seu jeito peculiar…
12:40, recebo confirmação do meu encontro… volto em direção ao Largo da Ordem… bares começando à movimentar… 13:00, passo inesquecíveis momentos com minha companhia, após cada um segue o seu destino… volto pelo Largo da Ordem… alguns turistas alemães tirando fotos… temperatura alta… chego tomar um chopp para refrescar… ambiente lotado… jovens, famílias, casais… compro um presentinho com um daqueles vendedores de brinco… ligo à um amigo… vou até o seu apartamento… conversamos divertidamente…
17:00, pego novamente o ônibus… cheio de estudantes… vou conversando com uma agradável companhia até o meu destino final… pra finalizar o dia, converso com minha tia, tio e prima… depois jantar leve e vou dormir cedo… e agora, 07:30 da manhã, cá estou terminando este post

Happy weekend

Sexta-feira, final de expediente, pego o ônibus pra casa, desço no terminal, algumas espécimes femininas desfilando, faço uma fézinha, saio do terminal e bora andar.

Ando sob o sol escaldante por 20 minutos até chegar em casa. Degusto alguns araçás do pé que está plantado em frente a casa da minha tia. Adentro a casa, lavo a louça (putz, quanta louça, arrumo a torneira que estava estragada). Minha tia chega, me elogia (chama-me de anjo). Termino o dia lendo Dan Brown – Anjos e Demônios (sacrificci dell’ vergini in altare di scienza).

Sabadão, 5:20 da matina, celular me desperta ao som de Baltimora – Tarzan Boy, banho gelado pra animar o dia, vou de bonde até a rodoferroviária, pego o ônibus pra casa dos meus pais. Alguns conhecidos, algumas gatas, filosofo sobre a vida durante as duas horas de viagem.

Chego em casa, minha sobrinha me recebe com abraços e beijos, interessante como uma criança pode acalmar nossa mente com apenas um simples e singelo sorriso. À tarde vamos brincar num campo de areia (eu, minha sobrinha e o moleque do vizinho), brincamos de bola, bumerangue e aviãozinho de papel.

É jamais devemos deixar morrer a criança que existe em nós.

6 da tarde vou rever uma grande amiga (a senhorita L). Chego, elogios de ambos para massagear o ego, vejo as orquídeas que dei à ela algum tempo atrás. No quarto, enchemos 150 balões (no domingo era aniversário do filho de sua amiga), haja fôlego literalmente. Para terminar o dia, pizza e me levam até o terminal para pegar o bonde pra casa (quase perdi o bonde).

Domingão, acordo cedo, vejo o Globo Rural com meu pai. Depois café divertido em família (sai com a cara cheia de doce de goiaba, minha sobrinha queria fazer um tratamento de beleza diferente em meu rosto). Antes do almoço, chimarrão com meu pai e meu tio. Conversas de homens (negócios, carros e mulheres), almoço com a família, comidinha da mãe (a couve frita estava divina).

À tarde ajudo minha mãe a fazer fogo no forno para assar pão. 16:00, venho pra Curitiba, trago um pão de presente para minha tia (ela adorou). Ônibus lotado, muitos sujeitos mal-encarados no bonde, vim conversando com uma “amiga íntima”, vamos dizer assim. Termino o fim de semana continuando a leitura de Anjos e Demônios ao som de Bach – Concerto de Brandembrugo No. 3.

E cá estou novamente, junto dos amigos. Muitos risos devido à um problema gastrointestinal de um colega (tem médico que tira o diploma via Correios). Semana de pagamento de dívidas, fazer o quê? Bueno, vamos trabalhar agora.