A primeira comunhão e o trem

Sempre fui uma pessoa que acreditou em Deus, mas, sou avesso à dogmas e ritos religiosos. Na época devia ter uns 12 anos, minha família era católica e minha mãe matriculou-me na aulas de primeira comunhão que acontecia aos sábados numa sala que ficava ao lado da igreja do bairro. Atrás desta igreja tinha uma linha férrea que era a minha salvação, já entenderão o porquê.

As benditas aulas de primeira comunhão aconteciam todo o sábado cedinho, às 8 horas para ser exato. Juntamente com mais dois colegas andávamos meia hora até chegar na igreja. Olhem as ‘aulas’ eram um porre. A ‘aula’ era ministrada por uma beata alemoa que me fazia dormir na cadeira. Nunca entendi o porque devo me confessar com alguém que é um ser humano igualzinho a mim, cheio de defeitos e pecados. Entendo que devo confessar minhas transgressões diretamente ao Criador, sem precisar de intermediário. Também entendo que a fé, sem conotação religiosa, é capaz de proezas incríveis em nossa vida. O extremismo religioso só traz desigualdades e tristezas para as famílias.

No começo da aula era feita a chamada, depois havia um intervalo que salvava o nosso dia. Presença garantida na chamada, juntamente com meus colegas que vinham comigo pegávamos nossas malas, saímos de fininho até a estação ferroviária e ficávamos esperando o trem passar. Era uma aventura (perigosa) pegar o trem em movimento. Tínhamos que correr paralelamente ao trem e subir na escada que tinha nos vagões. Após estarmos em cima do trem era só alegria, sentávamos em cima de um vagão e admirávamos a bela paisagem até o trem chegar em outra estação que ficava no interior da cidade. Descíamos na estação e voltávamos a pé pelos trilhos do trem até chegar perto da rua onde morávamos.

E assim foram as aulas de primeira comunhão, salvas pelo trem, até chegar a missa de Primeira Comunhão. Um dia antes fomos obrigados a nos confessar com o padre, fui irônico com o sacerdote perguntando quantos Pai-Nossos eu devia rezar por ‘gazear’ as aulas da primeira comunhão e ir passear de trem (rs). Na missa, com toda a família reunida, fiquei num cantinho no início, sai pra fora de fininho pra conversar com as meninas atrás da igreja e só voltei na hora da hóstia (que engoli rapidamente). A única coisa que salvou foi o traje das meninas, todas de branco, algumas com tiaras na cabeça, com suas saias rendadas, algumas mostrando parte das coxas (hehe).

Vejam não estou dizendo que não é importante participar de algum evento religioso (missa, culto, etc), apenas estou citando alguns dogmas que fui obrigado a fazer a contragosto. Cada um de nós tem seu jeito de fazer suas preçes e seus momentos de fé.

Hoje vendo algumas fotos tiradas na época com aquela roupa social (camisa branca, calça social azul e gravatinha borboleta preta) dou risada daquela situação e me recordo do trem.

Anúncios

Sobre a imperfeição

2012 correndo a toda. Férias, verão, sol, calor, praia (não pra mim). As agências de publicidade e propaganda ressaltando a ‘perfeição’ em corpos sarados (vide as propagandas de cerveja). E você aí cultivando uma certa barriga devido a cerveja (propaganda enganosa rs) sonhando nalgum dia ser capa da Men’s/Women’s Health.

É natural para todo o ser humano desejar um belo e saudável corpo, não preciso nem dizer que os benefícios trazidos são permanentes e melhoram substancialmente nossa autoestima. Inconscientemente buscamos a perfeição. Os exageros nesta busca a longo prazo são prejudiciais à nossa vida em inúmeros aspectos.

Somos seres únicos porque justamente temos nossas imperfeições. Você mulher é única porque tem aquela pintinha em seu braço, em seu rosto. Você homem é único porque tem aquela pequena cicatriz de infância em seu joelho daquele tombo de bicicleta que você levou.

Vejam, não estou dizendo para não cuidar de nosso corpo. Estou dizendo que devemos viver naturalmente com nossas imperfeições. Hoje em dia vejo cada vez mais pessoas cirurgicamente robóticas. Você pode sim fazer uma cirurgia para corrigir algo que te incomoda, mas vemos e ouvimos diariamente absurdos em busca da perfeição corpórea que chegam a ser hilariantes. Casos de psiquiatria.

Homem, seja paciente com a gordurinha abdominal extra de sua mulher. Mulher, seja calma para a barriguinha de chopp do seu homem. Lembrem-se de quantas experiências vocês viveram juntos. Cada experiência podendo trazer uma nova imperfeição. Aqueles homens/mulheres muito ‘perfeitos’ são seres de laboratório que ficam incubados vendo a vida passar pelo vidro.

Cuide sim do seu corpo, mas olhe para cada pequena imperfeição e lembre-se que você é único(a).

Receitas de bolo

Final de ano batendo na porta, as famílias planejando onde vão passar o Reveillon, os descolados procurando as baladas mais TOPs, inúmeras pessoas fazendo suas ‘to-do list’ para o próximo ano. Isto é bom, porque definimos metas, mas quase 99% desta lista não é concretizada, mas isto é assunto para outro texto.

Desde o advento da semiótica e do marketing que nossas escolhas são direta ou indiretamente influenciadas. Consumimos e compramos bens que talvez não precisássemos, mas somos levados quase que inconscientemente a cada vez mais nos espelhar no que as revistas e a televisão nos vendem. Estamos perdendo nossa identidade como seres humanos. Não estou sendo extremista, apenas sensato, o consumo é a mola propulsora do desenvolvimento.

Os gritantes apelos para as ‘listas da felicidade’ estão estampados em todo lugar. Quem pode saber o que é uma ‘lista da felicidade’ além de nós mesmos? É lista de lugares que você precisa conhecer; listas do que se deve comer (estas então são extremas, tanta coisa que você precisa comer que fico imaginando quem consegue tal façanha); listas de como tornear os músculos para o verão; listas de como enriquecer, etc e tal. Fizeram até listas de quem ‘pegar’ antes de morrer (será que tenho alguma chance com a Scarlet Johansson?). E as revistas femininas então, é lista para todo o centímetro do corpo, desde lista de tipos de cabelos até massagem tântrica no clítoris. Fico pensando comigo: qual ser humano consegue fazer tudo o que as ‘listas da felicidade’ propõem. Você precisa fazer tanta coisa que apenas 24 horas diárias não serão suficientes.

Óbvio notar que precisamos de um mapa para a nossa vida, uma direção para seguirmos, caso contrário talvez remaremos para uma tormenta. Mas vejo quase que diariamente as pessoas mudando seus modos de vida porque viram na novela das oito ou numa revista especializada uma nova técnica que fará ‘milagres’ em sua vida. Acabam perdendo seu jeito de ser que foi construído durante muito tempo.  Precisamos de espelhos e não há nada de mal em seguir alguma lista que vise o nosso aperfeiçoamento como ser humano, mas, nada de extremismos e seguir todas as ‘listas da felicidade’ para um simples mortal creio que seja quase impossível.

Sempre falo que um script totalmente conhecido não proporciona emoção alguma na vida de um ser humano. É igual você estar lendo um romance policial da Agatha Christie e te contarem quem é o assassino.

De vez em quando precisamos fazer a nossa receita de bolo, com os nossos ingredientes, se o bolo vai ficar bom ou não, só o tempo dirá, mas não deixamos nossa subjetividade de lado para seguir ‘mantras’ da sociedade moderna.

Mulher exigente

Feriadão, lendo na revista VIP a excelente matéria do colunista Paulo Nogueira sobre a mulher exigente, eis aqui a minha opinião:

Século XXI, muita coisa mudou drasticamente em 100 anos. Liberdade de expressão, independência da mulher (em algumas culturas a mulher ainda é subjulgada), formação de “novas tribos sociais”, etc. Devido a descoberta de novas tecnologias que mudaram o modo que o homem vê o mundo, ao capitalismo, ao consumismo, a ditadura do espelho, a sociedade passa por mudanças drásticas e velozes.

Há 40 anos atrás o perfil da grande maioria das mulheres era o de “dona-de-casa”, as Amélias como são conhecidas, basta ver nossas mães e avós. Não que este perfil seja errado, mas os tempos são outros como gostam de citar.

Os meios de comunicação (televisão, revista, rádio, propaganda) contribuíram fortemente para ajudar a nascer um novo tipo de mulher na sociedade moderna, que “põe medo” em muitos machões à moda antiga: a mulher exigente.

Não estou defendendo o feminismo, muito menos o machismo, apenas estou citando fatos que todos podem observar diariamente.

Particularmente, adoro mulheres com personalidade. A mulher exigente afasta muitos “homens” porque ela também se preocupa consigo mesma, com o seu prazer e não em apenas satisfazer o parceiro.

A mulher exigente não ficar a vida toda atrás de um fogão e de uma máquina de lavar roupas (nada contra estas, conheço algumas fantásticas), ela vai à luta. Ela faz faculdade, ela concorre em iguais condições com homens no mercado de trabalho, ela planeja sua vida, ela tem metas, ela realiza suas fantasias sexuais sem pudor e vergonha, ela demonstra força sem deixar de lado sua leveza e sensualidade.

A mulher exigente quer mais do que apenas um corpo masculino ao seu lado, ela quer um companheiro, um batalhador que possa construir uma sinergia em busca de ideais comuns.

Ela deseja ser surpreendida, sejo pelo jantar que o seu homem preparou, seja pela flor roubada que ganhou inesperadamente, seja pelos beijos tórridos que ganhou dentro do elevador antes de chegar ao trabalho.

Os homens tradicionais podem ter medo deste tipo de mulher porque elas têm voz própria, ideias que podem ser contrárias as deles. Para a mulher exigente não “cola” apenas um rostinho bonito, ela quer conteúdo, respeito e cumplicidade.

Conheço pegadores (bom é isto que contam aos amigos) que se borram de medo ao depararem-se com uma mulher exigente pois apenas conhecem o “papai-mamãe” da vida e elas desejam o “kamasutra” da vida.

Ao lado de uma mulher exigente certamente que não existirá rotina e haverá uma saudável guerra dos sexos, aquele jogo de sedução para apimentar o dia a dia. O homem que convive com uma mulher exigente sempre terá seu leão interior provocado. Ela não considera o homem superior ou inferior, ela o considera um companheiro para ficar ao seu lado.

A mulher exigente sabe “o ponto certo” entre exigir e ser chata-arrogante-prepotente. Vale lembrar que:

Existe um limiar tênue para as exigências: em demasia não há quem suporte.

O poodle cor-de-rosa

Ontem à noite, dirigi-me a famosa Rua XV aqui em Curitiba, momentos divertidos com uma certa pessoa, não resisti e pedi um Big Mac, sabe né, estava com muita fome (rs). Rumei em direção à estação central pegar o vermelhão para casa. Eis que neste ínterim, observador e detalhista que sou, vi uma senhora passeando alegre e feliz com o seu poodle cor-de-rosa. Achei a cena bem interessante, o cachorro muito bem cuidado, a senhora com classe e elegância de madame.

Fiquei com meus botões pensando durante o trajeto para casa, lembrei-me que um grande amigo meu, certa vez, comentou comigo que um senhor dava salmão com torradinha especial ao seu cachorro, eita, e eu no Giraffas à R$5,90 todo o dia, não estou reclamando, longe disto. É foi se o tempo onde os cachorros comiam restos de comida, hoje comida balanceada, vitaminas, etc e tal. Claro, se você tem um animal de estimação, trate-o com carinho. A belle brune tem seu general francês e cuida muito bem dele.

Pra que relatei esta cena que presenciei, pelo simples fato que tentamos fazer as coisas que julgamos ser importantes para a nossa vida, o tal do subjetivismo. Se a senhora sente-se feliz passeando com seu poodle-cor-de-rosa, se a madame quer doar toda a sua fortuna ao seu gato de estimação, quem sou eu para julgar.

É certo que, na minha concepção, que uma vida simples evita muitos questionamentos e problemas psicológicos, quantos menos variáveis teu cérebro tem para resolver, mais ele vai te ajudar. Gosto pessoal cada um escolhe, têm pessoas que gostam de cachorros, outras de alpinismo, outras de Lady Gaga, outras de Pink Floyd, outras de Monarcas (em breve post sobre as músicas que o meu pai ouvia), outras de hentais, outras de masoquismo, outras de opus dei, outras de macumba, outras de Final Fantasy, outras de Mortal Kombat. Tem uma frase que gosto de citar:

O que é fútil para mim pode ser essencial para você.

Tempestade cerebral

Conforme prometido um opinião sobre tempestade cerebral. Numa madrugada destas, acordo e não consigo mais dormir, minha mente passeia por inúmeros assuntos e metas: casa própria, família, banco de dados, Java, gestão, sobremesa, lençóis maranhenses, mulher, mulher, mulher, rs.

Diariamente somos bombardeados por uma quantidade gigantesca de informação, desde pesquisas da NASA até vídeos bizarros. Nossa mente fica tão cheia de informação e ao mesmo tempo vazia de conhecimento.  Perdemos preciosas horas com informações vagas e as “ditas” redes sociais (antes de mais nada não sou cadastrado em nenhuma, prefiro contatos à moda antiga, olho no olho). Não damos o tempo necessário para o nosso cérebro assimilar uma informação, é tanta correria que precisamos desenvolver um filtro cerebral para o que realmente nos interessa. Existem várias ferramentas que “filtram” as informações que achamos relevantes (aqui uma excelente).

Precisamos desenvolver esta capacidade de filtrar informações, além disso, devemos ter opinião própria e pesquisar mais sobre o que consideramos interessante, pois nem tudo o que reluz é ouro.  A sobrecarga cognitiva é prejudicial ao nosso cérebro (ver aqui uma excelente matéria). Outro fator fundamental: existe a hora certa pra tudo, você não vai querer acessar aqueles “virais engraçados” do Youtube no seu horário de trabalho não é mesmo?

Eu tenho uma técnica: escolho alguns temas, defino suas prioridades e pesquiso sobre estes temas, por exemplo (mulher, PNL, cursos, psicologia, ciência, novidades, tecnologia, viagens, outras besteiras rs). Nosso cérebro também precisa de descanso, faz bem ao nosso corpo.

10 por cento!

Dia destes, me distraindo um pouco zapeando pelos canais de televisão, nada de interessante, de repente… em três canais vejo igrejas pedindo dízimos e ofertas das maneiras mais inteligentes possíveis. É notável perceber a grande eloquência nos discursos. Não tenho absolutamente nada contra nenhuma religião, creio em Deus, mas não preciso de intermediários (padre, pastor, rabino, etc), falo pessoalmente com Ele através das minhas orações.

Ok, as igrejas necessitam de apoio para honrar com suas dívidas (água, luz, aluguel, telefone), mas ao vislumbrar a sede que uma famosa igreja apresentou, uma obra faraônica que será paga com o suado dinheiro dos fiéis, fiquei pensando e filosofando: tem gente que deixa de comprar leite para o filho para sustentar pastor andando de carro importado por Curitiba, sem falar nas viagens de avião e jantares requintados; e ela vindo à igreja de “busão” lotado.

Sou absolutamente contra a exploração mercantil que as igrejas propõem, fazem uma lavagem cerebral nas pessoas, utilizam milagres, promessas de crescimento financeiro. Não se iludam, quem faz o milagre é a tua fé, quem faz você crescer na vida é o teu esforço.

Como dizem: dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. E qual a diferença entre César e Deus? Um é humano e precisa de dinheiro o outro precisa apenas de sua alma. Mas então não devo dar meu dízimo para Deus já que Ele não precisa de dinheiro? Não, pelo contrário, mas dê a Deus!!! Como? Vou te explicar.

Ao invês de você financiar bon vivants religiosos, doe diretamente a quem precisa. Vou dar um exemplo: digamos que você ganhe R$1000,00 líquido, seu dízimo é de R$100,00, pegue este valor, escolha pessoas menos favorecidas financeiramente e compre o que estas pessoas necessitam naquele momento e certamente vai estar ajudando a Deus. Você pode escolher mais de uma pessoa (família) e repartir o valor, te garanto, por experiência própria, tua consciência para com Deus sempre vai estar limpa e teu coração sempre estará alegre e sereno.

Agora, existem aquelas pessoas, algumas fanáticas, que preferem financiar religiosos, ok, cada um faz o que julga ser correto para a sua vida, mas jamais esqueçam: religiosos são seres humanos e cometem erros (nem vou entrar no mérito), Deus não.

Faça à Deus pois Ele vai te recompensar no tempo certo.

Incógnitas

Algumas questões do cotidiano

Sapato ou tênis?
Meia branca ou preta?
Social ou esporte?
Carne ou legumes?
Channel ou cacheado?
1.0 ou 2.0?
Saio ou fico em casa?
Praia ou campo?
Hetero ou homo?
Loira(o) ou morena(o)?
Poupança ou bolsa de valores?
Freelancer ou agência? hehehe. não podia faltar
Direita ou esquerda?
Pilates ou poli dance?
Gasto ou poupo?
Hoje ou amanhã?
Calor ou frio?
Dia ou noite?
Namoro ou sexo sem compromisso?
Rock ballad ou sertanejo?
Batel ou CIC? hehehe. quem é de Curitiba vai entender
Comédia ou ação?
Fio russo ou peeling?
Ler ou ouvir música?
Inglês ou mandarim?
Um ou dois filhos?
Solteiro(a) ou casado(a)?
Padaria ou mercado?
Músculos ou intelecto? têm alguns Es aqui
Budista ou católico?
Guinness ou Skol?
Lique ou Atenas? quem é de Curitiba vai entender
Playboy ou Sexy? tem quem goste da G Magazine. hahaha
Futebol ou Novela?
Stephen Hawking ou Brad Pitt?
Apartamento ou casa?
Marina Silva ou Heidi Klum?
Camisinha masculina ou feminina?
Carro ou ônibus. aqui não tenho escolha. pobre é pobre, mas com bom humor
Arquitetura ou biologia?
Falo ou fico quieto?
Dinheiro ou felicidade? o ideal seria um E
Tento ou desisto?
Paixão ou amor?
Teatro ou cinema?
hopping ou comércio de rua?
Capital ou interior?
Ser ou ter? aqui muitos falam X e são Y

Quem tem razão

Neste mundo individualista e egocêntrico todos possuem opiniões diferentes acerca de um mesmo tema. Cada um julga a sua opinião sendo a correta. E todos estão corretos, pois cada ser humano possui sua ótica própria sobre o mundo, a dita idiossincracia. A sociedade possui valores fundamentais que todo o ser humano deve seguir (não matar, não roubar), caso contrário ele será sumariamente excluído desta sociedade. Mas, alguns destes “dogmas” podem ser questionados por cada um de nós. Tomemos por exemplo a religião. Existem pessoas capazes de matar em nome de seus preceitos religiosos que julgam ser “a verdade universal” e tudo o que estiver fora da abrangência de sua “cartilha religiosa” é considerado “heresia” (que diga as famosas guerras santas).
Particularmente, penso que se você tem sua opinião formada acerca de um tema, por exemplo, siar ou não com garotas de programa, você está correto, afinal a vida é sua, as consequências sobre suas opiniões também são suas.
O que devemos é respeitar a opinião dos outros, seja a favor ou contra nosso ponto de vista.
Enfim, cada um julga fazer o correto dentro do contexto onde vive e da educação que teve. Muitos podem concordar, muitos podem discordar, mas é a tua opinião e se você sente-se tranquilo em relação a ela, dane-se o resto.
Afinal, não existe uma afirmação universal, sempre existem discordâncias e debates e são estes fatores que fazem os seres humanos evoluírem.
O importante é ter uma opinião não importando se você está certo ou errado perante “a puritana sociedade”.