Um almoço, uma frase

Estava eu sossegado trabalhando quando uma simples mensagem recebida chama a minha atenção. O corpo desta mensagem convidava-me para um almoço ‘de negócios’ por assim dizer. Como recusar um almoço bem acompanhado. Lá fui eu. Sai um pouco antes para esperá-la chegar. Quando meus olhos depararam com sua beleza meu corpo foi tomado por uma sensação de êxtase. Seu jovial e belo rosto, seu sorriso, o belo brinco em formato de coruja dando um toque de mistério ao seu rosto. Caminhamos lado a lado conversando alegremente sobre algumas amenidades do cotidiano.

Chegamos no restaurante, escolhemos uma mesa, nos servimos no buffet, pegamos uma generosa porção de sobremesa e começamos a almoçar. Durante o decorrer do almoço conversamos sobre alguns negócios, algumas metas em comum e outras coisas mais. Mais uma vez seu sorriso me hipnotizou. Quase ao final de nosso almoço, ela olha pra mim e me pergunta: – luidi, veja senão ficou algum resto de comida nos meus dentes. Em princípio estranhei a pergunta, mas, aprendi que de uma situação inusitada podemos tirar proveito olhei-a fixamente nos olhos e disse esta frase:

Apenas vejo lábios vermelhos como uma maçã madura e suculentos como favos de mel.

Segurei suas sedosas mãos, trouxe-a junto ao meu peito e deliciei-me, paguei o almoço e saímos passear. Depois flashes inesquecíveis de uma frase dita na hora certa. As mãos unidas durante o passeio, o cappuccino com creme, os beijos, o despir fervoroso das roupas, e o resto fica na imaginação de vocês. Nem preciso mencionara que nesta tarde nem voltei ao trabalho (ainda bem que sou pessoa jurídica rs), concedi-me uma tarde de prazer, afinal:

Temos que aproveitar a vida quando ela nos oferece oportunidades.

Passeio no Jardim Botânico

Primeiramente, a vida tem certos momentos que são inesquecíveis, por este fator ela é especial e deve ser aproveitada ao máximo. Certo dia, pra minha surpresa recebo uma mensagem de uma pessoa muito especial pra mim querendo passear comigo no Jardim Botânico aqui de Curitiba. Como recusar uma proposta destas. Fazia tempo que queria conhecer o Jardim Botânico tão famoso aqui em Curitiba.

Cheguei antes dela e fiquei observando os peixes e as tartarugas desfrutando pequenos insetos que caíam na água, calmos e tranquilos em meio à selva de pedra onde estavam inseridos. Fiquei filosofando comigo, quanta diferença em um mesmo espaço. No jardim, uma serenidade, uma quietude. Logo após a cerca, barulho de carros, ônibus, pessoas apressadas, prédios em construção, metas, stress.

Minha companhia chegou alguns minutos mais tarde, um beijo de boas vindas e fomos passear tranquilamente admirando a beleza da natureza que nos rodeava. Tenho em minha mente todas as cenas que presenciamos. Passamos ver uma exposição de quadros, depois passamos a passarela sobre o lago. Aconteceu uma cena no mínimo engraçada: paramos para ver uma linda espécie de orquídea que estava numa árvore, ela se apoiou no tronco da passarela, 1 minuto depois ouço seu grito e um pulo, ela havia posto a mão em cima de um ‘mandorová’, sorte que não era venenoso.

Seguimos pelo caminho que rodeia o bosque conversando sobre amenidades da vida, lembranças de nossa infância, citando nomes de árvores que conhecíamos, fazendo pequenas carícias e comentários divertidos. Após uns 15 minutos de caminhada, chegamos na famosa estufa de plantas, apreciamos a pequena cascata e as plantas. Depois passeamos pelo bosque desenhado que fica em frente à estufa. Muito legal a cena da professora brincando com seus pequenos alunos uniformizados no gramado, quantos risos, quanta diversão.

Depois degustamos algumas pitangas diretamente da fonte (rs), caminhamos um pouquinho, escolhemos uma bela sombra, deitamos lado a lado e ficamos conversando sobre o futuro tendo como espectadores um casal de quero-queros com seu filhotinho ainda adquirindo plumagem. Alguns turistas iam e vinham com suas máquinas fotográficas, o tempo foi passando, quase adormecemos no gramado (rs).

Bom, como tudo de bom nesta vida tem um tempo tivemos que voltar para a nossa vida cotidiana. Ambos pegamos o ônibus, um para cada lado, ficando em nossa mente os doces momentos vividos em companhia da natureza e um gostinho bom de quero mais.

Periodicamente dedique um tempo para você esquecer que existe trabalho, metas, visite algum parque da sua cidade, aprecie os pássaros, os insetos, as árvores e tente retirar um pouco da tranquilidade que eles exalam para o seu dia a dia. Te garanto, o bem que isto faz não há dinheiro que pague.

À moda antiga

Mais uma vez meus olhos são extasiados com uma presença angelical. Ela, simplesmente, espetacular. Seus lindos cabelos loiros feito um trigal maduro, seus olhos azuis celestes flamejantes de doces enigmas, sua boca provocante dos mais ávidos e luxuriantes desejos realçada por um batom rosa (batom este que dei pra ela noutra ocasião), seu corpo transpirando sensualidade e feminilidade, trajada com uma leg jeans azul e uma camiseta amarela muito estilosa. E eu, simples admirando tão magnífica obra da engenharia humana. Enlaçei-a pelas suas mãos e fomos passear, depois fomos ao ‘nosso cantinho especial’.

Na volta, andando, jogando conversa fora, ela adentrou uma lojinha em busca de um par de brincos que está querendo comprar. O brinco, pequeno, em formato de morango ficou espetacular nela. Na hora de pagar, como bom cavalheiro que sou, paguei o brinco a contragosto dela. A dona da loja e ela começaram uma conversa sobre homens ‘à moda antiga’.

Elas falaram que as mulheres hoje em dia querem ser iguais aos homens (o que na minha opinião é justíssimo), que por conta disso a grande maioria dos homens perdeu o ‘cavalheirismo’ com as mulheres. A dona da loja olhou bem para ela e disse: – olha é difícil achar um homem ‘à moda antiga’, aproveita menina!!! Dei uma grande risada e repliquei sorridente: – mas não exagera senão eu vou à falência. Sai com o peito inflado de orgulho (rs).

Se estou certo ou errado, é o meu jeito. Sou a favor dos direitos iguais, mas qual a mulher que não fica lisonjeada com pequenas gentilezas de vez em quando?

Gentileza é um dos sinônimos de um homem de verdade.