A pressa atrapalha

Algum tempo atrás, a libido a mil, a testosterona correndo forte nas veias, e eis que novamente estou entregue as garras da minha felina esfomeada por prazer.

Adentramos num motel, no elevador houve uma sessão de beijos temperados de malícia. Corpos quentes e desejosos de luxúria. Lembro-me que minha camisa perdeu uns dois botões quando ela foi ferozmente retirada do meu peito. Meu pescoço foi atacado vampíricamente por dentes afiados de tesão.

Ela encostou-me na parede, sua mão desceu até a minha calça, começou a abrir rapidamente o zíper quando dei um grito de dor. É isso mesmo que vocês estão pensando: o zíper ficou preso na pele da cabeça do ‘meu companheiro’. Ela levou um susto, ficou apreensiva, delicadamente ajudou-me a desprender o zíper, verificou senão havia-o machucado (ainda bem que a cueca o protegeu), levantou seus olhos de encontro aos meus, deu um sorriso maroto e após um beijo de carinho na cabeça do ‘meu companheiro’ que ficou todo alegre e contente.

Foi a segunda vez que isso ocorreu em minha vida, a primeira se a minha memória não estiver enganada, foi quando eu tinha uns 9, 10 anos. Após urinar quando fui fechar o zíper da calça, humm, que dor. Fiquei alguns minutos tentando desprender o zíper mas não conseguia. Fui obrigado a chamar meu pai para desprender o zíper, pensem na minha vergonha nesta situação. Ainda bem que as mulheres não sofrem deste problema.

Anúncios