Superação

Final de domingão, eu vendo um pouco de televisão para passar o tempo. Vejo uma reportagem sobre o soterramento dos mineiros chilenos. Fico impressionado com a força que cada um deles está demonstrando. A união que o grupo criou nesta situação dificílima é exemplo para todos nós. Em qualquer pequena dificuldade ficamos nos martirizando, abandonamos a família, queremos estar sós, não temos a humildade suficiente para pedir ajuda e reconhecer que sozinhos somos fracos, mas com uma equipe somos imbatíveis.

Para os psicólogos este episódio vai dar bons artigos, me lembrei agora da Caverna de Platão. Já escolheram liderança, fazem atividades para suas mentes “esquecerem” momentaneamente o problema que estão vivendo. Quantos de nós fazemos o contrário? Alimentamos diariamente nossos pequenos problemas transformando-os em grandes problemas. Até seus corpos já se adaptaram ao meio terrível onde estão, por isso, sempre falo: o ser humano inconscientemente tende a sobreviver.

Fico aqui pensando: o que será que passa na mente de cada um destes mineiros? A grande maioria manda mensagens para família, dizem e escrevem coisas que nunca disseram ou escreveram para seus familiares, o que me leva a concluir: na incógnita de suas sobrevivências eles precisam fazer tudo para suas almas estejam em paz. Conforme já escrevi aqui, só nos damos conta da brevidade de nossa vida e do quão especial são as pessoas de nosso convívio quando ficamos em situações de risco.

Como a será a vida destes mineradores após resgatados? Certamente eles vão dar valor ao que realmente interessa: seus amigos e familiares que lhes dão força do lado de fora, seja através de orações, mantimentos ou mensagens. Creio que esta é a força que impulsiona os mineiros a persistir. Quantos deles sonham novamente abraçar seus familiares, beijar ardorosa e carinhosametne suas esposas, abraçar seus filhos, tomar um belo banho de mar, comer a comida da mãe, passear no parque coma  família aos domingos. Quantos não faziam isto e certamente prometeram a si mesmos mudarem seus modos de vida. Quando temos alguém para nos ceder o ombro quando precisamos não existe problema que não possamos superar, agora sozinhos até uma pena nos derruba.

Por isso muitas vezes as pessoas me alcunham de “utópico” por cometer algumas “loucuras”, mas eu faço, não conheço o amanhã? Tento dar valor ao que realmente interessa em minha vida: minha família, meus amigos, mio amore. Dou cada gota do meu sangue se preciso for para ajudá-los.

O episódio dos mineiros relata quão forte o ser humano pode ser frente aos incógnitos obstáculos que a vida reserva. Quando você tem um porque viver, nada pode te derrubar.

Anúncios

Challenges

Tempo frio, chuvinha lá fora, eu sozinho na frente do computador, hoje me ferrei, vim trabalhar apenas de camisa e além do mais o ponto de ônibus é longe, ou seja, vou me molhar. OK, no problem, um dia a coisa melhora.

Algum tempo atrás já tinha postado um texto referente a desafios. Zapeando pela Internet, eis que vejo um texto justamente falando sobre desafios em nossa vida profissional. Achei muito inteligente a maneira com a qual o autor relata o assunto e como motivar pessoas para um objetivo comum.

Sempre fui fanático por desafios, confesso que hoje em dia estou um pouco “sedentário” digamos assim, saudades da universidade e da pós-graduação, mas um tempo para a mente também é fundamental. O “raio X” de como motivar uma pessoa para um desafio, para permanecer na empresa, muitas vezes ganhando menos do que a concorrente está disposta a pagar, é dar um propósito a esta pessoa. Faça com que o trabalho desta pessoa tenha um valor verdadeiro para ela, que acrescente algo de valor em nosso mundo. Como sempre ressalto para “mi passione“, não viemos para este mundo por mero acaso, temos que marcar nosso nome na eternidade do tempo, mesmo que seja no coração de poucas pessoas, mas devemos lutar para conseguir isto.

Eu quero deixar a minha marca no Universo, quero ser desafiado, quero mostrar porque estou aqui, porque mereço confiança e respeito. Quando temos paixão por desafios, nossa vida profissional ascende para patamares superiores com naturalidade. Alguns desafios vencemos rapidamente, outros demandam tempo e calma, eu estou com o maior desafio de minha vida, já estou há 2 anos e meio lutando por ele, desistir? Jamais. Vou vencê-lo? Não sei, mas esforço, honra e luta não faltarão. Me deixa feliz? Completamente.

Quando encontramos desafios que nos fazem felizes no dia a dia, sejam eles pessoais, profissionais, emocionais, etc, encontramos a razão para a vida, para vislumbrar um futuro melhor. É simples, faça desafios para você mesmo, alguns fáceis e de curto prazo, outros médios e faça também aquele impossível de longo prazo, porque? Ora, jamais sabemos até onde nosso potencial pode nos levar, o que é impossível hoje amanhã pode ser possível. Eu tenho uma meta pessoal que desejo cumprí-la em cinco anos, então daqui cinco anos eu conto qual era… Aguardem…

Não se diminua

Perante as dificuldades e vicissitudes da vida não se diminua, não baixe a cabeça já mais. Levante e erga-se, continue firme. De mais um passo adiante, pois você pode. Diga sempre para você mesmo que você pode porque você é maior que qualquer dificuldade que a vida te oferece. Aproveite os presentes que o sofrimento pode nos oferecer: testar nossos limites, medir nossas forças, e nos colocar diante de mais um propósito. O pior não é cair, é não saber quando levantar ou pior não ter vontade.
Você é maior que qualquer obstáculo. As muralhas existem para provar quão forte é o nosso desejo em conseguir algo. Para testar se realmente é isso mesmo o que queremos. Então pra que se diminuir? Levante e corra, quem acorda cedo consegui o que quer. Enquanto você dorme já tem gente batalhando. Corra, pois nada cai do céu.
O século XXI parece ser o século da síndrome do eu não consigo, eu sou um fracassado não valho nada, sou um zero. Jovens e adolescentes e tantos outros com problemas de depressão baixa auto-estima crise de identidade. O espelho já não reflete as crianças alegres. Tornou-se o maior inimigo dos adolescentes. Pra que tudo isso? Por conta de um padrão regido pela sociedade?
Não se diminua, não faça isso. Procure seu espaço no mundo e conquiste seu lugar ao sol. Sabe qual é o maior valor que um ser humano deve ter e precisa almejar deixando isso bem claro para que quem esteja a quilômetros de distância possa perceber? Ser você mesmo. Isso mesmo. Não precisa ter uma conta bancaria recheada ser conhecido por todos é só se gostar, gostar de você do jeitinho que você é sem tirar nem pôr.
De tanto serem apontados nossos defeitos virão virtudes a nossos olhos. Porque se existe algo que até seu melhor amigo guarda para só dizer quando estas no fundo do posso para te animar são as tuas qualidades. Os defeitos são jogados fáceis na nossa cara, mas qualidade que é bom nada.
Por isso eu digo: não se diminua. Quando se olhar no espelho pela manhã já na hora de escovar os dentes olhe com prazer e sorria muito. Você é uma obra prima do todo poderoso, sua imagem e semelhança por isso ninguém pode dizer que você é feio ou esta fora dos padrões. Padrões cada um com o seu, tenha também o seu.
Aprendi tanto a gostar de meus defeitos que já nem conheço mais minhas virtudes, esquece de minhas qualidades, piso em minhas vaidades, procuro valores. Sou feliz com o que tenho e com meu jeito de ser. Se eu pudesse nascer de novo gostaria de sempre ser eu mesma. Faria tudo de novo. Aprenderia com a mesma dor para poder sorrir com o mesmo prazer a, pois cada obstáculo ultrapassado. A vida é um milagre e não existe receita melhor do que saber viver com o que se tem.
Um dos melhores caminhos é não cobiçar o que não podemos ter ou não podemos alcançar no momento. Vamos viver cada dia com intensidade como se houvesse amanhã para planejar um futuro melhor para nós e para o mundo. Viva. Não se diminua já mais. Você é um ser maravilhoso. Tudo de negativo que te for dito, apague. Se não é pra somar então nem precisa dividir. Se for para subtrair pra que tentar a raiz quadrada? Tente fazer um noves fora, se não conseguir jogue fora. É porque não prestava e se não prestava é porque não era pra você. A vida é maravilhosa pra que se preocupar com coisas que não somam?
Sorria sempre com você mesmo não espere que alguém coloque um sorriso em seu rosto. Vai mostrando os dentes desde cedo, a vida é para ser vivida. Não relembre as angustias. Colecione as surpresas e embrulhe as alegrias o tempo de ser feliz é esse. É o hoje. É o agora.
Não espere o tão sonhado príncipe encantado, aquela promoção do século ou aquele carro zerinho nem a casa de seus sonhos para ser feliz. Seja feliz com o que tens no momento, pois a vida começa no agora não no amanhã. Ame e serás amado. Perdoa e serás perdoado. Se diminua e serás diminuído. Se tiveres virtudes serás notado, se tiveres valores serás aclamado se fores humilde serás exaltado e com caráter já mais serás esquecido.
Não se diminua, mostre quão grande és tu.

Fonte: http://www.otimismoemrede.com/nao_se_diminua.html

Como vivem as flores

Era uma tarde quente de verão, e o vendaval agitava a folhagem com violência, anunciando a tempestade que se aproximava rapidamente. Pelas janelas abertas, um suave perfume enchia a casa. Lá fora, um espetáculo digno de nota acontecia. Açoitados pelo vento, os pés de manjericão, alfavaca e lavanda dobravam-se e liberavam um delicioso perfume.

Era impressionante notar a maneira como as flores e folhagens respondiam aos golpes violentos do vento. Os primeiros pingos de chuva enfeitavam as rosas abertas como se fossem diamantes líquidos. Mas o temporal anunciado logo chegou e as gotas da chuva, agora misturadas com o vento forte, pareciam um bombardeio cruel macerando as suaves pétalas, que respondiam à agressão liberando um perfume inconfundível.

Era incrível aquela lição viva de generosidade e resignação! Ante a violência do temporal, instintivamente as plantas se dobravam para não quebrar. As plantas não pensam, não são seres racionais, mas cumprem silenciosas e submissas, as tarefas que o Criador lhes confia, apesar das tempestades da vida.

Assim também agem algumas pessoas. São como as flores que, mesmo maceradas pela enfermidade cruel, pela agrestia da vida, respondem com o perfume do otimismo e da alegria. Seres racionais que são, sabem que todas as lições que lhes chegam são oportunidades de crescimento e auto-superação. Isso acontece com uma jovem senhora, agredida por um câncer cruel que tenta lhe roubar o corpo, minando-o aos poucos e insistentemente. Quando soube que teria que fazer quimioterapia novamente, não se desesperou.

“Eu venci essa doença uma vez e vou vencê-la de novo”. Falava com fé e disposição na alma. A família, preocupada com seu estado de saúde, insiste para que ela fique em casa, repousando, mas ela prefere trabalhar. Trabalha como vendedora e sempre supera as metas estabelecidas pela gerência. Quando faz o tratamento quimioterápico, ela passa muito mal. Mas a dor não a impede de estar o dia todo com um sorriso nos lábios, distribuindo otimismo entre seus colegas. Sempre gentil, ela dribla a doença, trabalha, confia, sofre, espera.

Uma pessoa assim é como uma flor que, mesmo açoitada pelos ventos fortes e pela violência da chuva, exala perfume e não deixa de florescer a cada primavera. Até parece que Deus permite que pessoas assim nasçam na terra para exemplificar a resignação, a confiança, o otimismo. Pessoas que não se deixam desanimar, mesmo diante dos quadros mais graves e desesperadores. O corpo sofre as agressões da doença, não há dúvida. Mas o espírito está intacto, lúcido, ofertando o perfume da gratidão a Deus pela bênção da vida. E vive intensamente.

Enquanto muitas pessoas saudáveis reclamam por coisas mínimas, faltam ao trabalho sem motivos justos, aquela mulher-flor abre suas pétalas de esperança dignificando a oportunidade de crescer que o Criador lhe concede. Sem dúvida um exemplo incomum. Em vez de se deixar derrotar pela enfermidade, ela luta com vigor e coragem, e, acima de tudo, com confiança plena em Deus.

Quando, em algum momento, sua coragem ameaça vacilar, pensa nas pessoas que sofrem mais que ela e firma o passo outra vez, seguindo em frente. Imitando as flores que, mesmo tendo suas pétalas rasgadas pelo granizo, não deixam de exalar perfume, também essa moça valente não permite que a doença lhe roube a paz de espírito e a imensa vontade de viver.

Pense nisso, e busque viver com otimismo, por mais que a situação esteja difícil.

A escada da vida

Há muito tempo atrás, num velho templo, existia um grande sábio com muitos pequenos discípulos. Neste templo existia uma gigantesca escada, muito enorme e com degraus muito altos. O grande sábio propôs um desafio aos seus discípulos: subir quantos graus eles conseguissem. E o desafio começou.
Cada discípulo era diferente fisicamente, uns mais fortes, outros mais fracos. Os mais fortes, subiam rapidamente. Os mais fracos, penosa e vagarosamente, também subiam alguns poucos degraus. O grande sábio começou a perceber algumas situações interessantes. Notava que alguns isolavam-se num canto, sofriam muito para subir um degrau. Outros, com o passar do tempo, começaram a perceber que poderiam se ajudar para subir os degraus.
Um dava apoio ao outro e quando este alcançava o degrau superior estendia sua mão para que o outro também subisse para o mesmo degrau.
O grande sábio notou que alguns destes, quando estavam no degrau superior, abandonavam quem os tinha ajudado no degrau debaixo. O grande sábio percebeu que estes eram logo abandonados pelos outros, pois começaram a perceber sua tática. Outros, quando subiam os degraus, trocavam suas companhias para subir os próximos degraus. Outros subiam vários e vários degraus juntamente com os mesmos discípulos.
O grande sábio percebia que os mais fortes, muitas vezes, subiam tão depressa que nem percebiam quem estava ao seu redor. Percebia também que outros subiam apenas alguns degraus e permaneciam neste degrau. Destes, percebia no olhar de alguns a felicidade, porém em outros o desejo de continuar subindo. O grande sábio notava que um pequeno grupo que se ajudava muito. Ao subir mais um degrau, descansava e apreciava a paisagem e somente após continuava a subida. E assim o grande sábio via seus discípulos subirem a grande escada.

O grande sábio é DEUS.
A grande escada chama-se vida.
Os degraus são as fases de nossa vida.
E os discípulos somos nós.

Quantos discípulos fortes conhecemos, que “vivem” somente em função de subir degraus e esquecem dos discípulos que estão ao seu redor. Quantos outros que se utilizam de nossos braços para subir e nos esquecem logo após. Mas existe aquele seleto grupo que sobe junto os degraus desta escada (o qual chamamos de amigos).
Não sei em qual degrau vou parar, mas tenho plena certeza de que apreciei cada degrau que subi. E que estendi meus braços para que tu também chegue no mesmo degrau. Pois sei agradecer quem me ajuda a subir os degraus da minha escada.
E quantos degraus ainda temos para subir?

Movidos pelo desafio

Desde que nascemos a vida nos impõe novos desafios. Diariamente temos vários desafios: alguns fáceis, outros bem difíceis. Quando ainda somos bebês temos vários desafios para superar: dar os primeiros passos, falar as primeiras palavras, aprender que nem tudo que pegamos devemos colocar na boca. Depois quando somos crianças temos: desafio de aprender a andar de bicicleta, desafio do primeiro dia de aula. Na adolescência: desafio da inserção em alguma tribo social, de fazer novas amizades, de descobrir nossa sexualidade, de passar no vestibular.
Quando chega a dita idade adulta, estes desafios adquirem patamares totalmente diferentes. São: a cobrança por resultados, o trabalho, conseguir namorada, crescimento profissional, responsabilidade, entre muitos outros desafios.
É neste ponto que estes desafios são como uma faca de dois gumes: algumas pessoas enfrentam com ânimo e entusiasmo estes novos desafios e conseguem vencer na vida, outras, no entanto, ficam somente reclamando destes desafios.
A grande diferença destes novos desafios com os desafios passados é que em nossa infância nós encaramos os desafios com naturalidade. Esta naturalidade vem do fato de possuirmos pessoas que nos encorajam à prosseguir (difícil alguém aprender à andar de bicicleta sozinho). Estas pessoas são nossos pais.
Portanto, para vencer os desafios que a vida traz diariamente, devemos ser como crianças: ter sempre alguém para dar apoio e coragem para prosseguir. É muito difícil vencer os desafios diários se não tivermos alguém que nos anime, seja com palavras, ações, ou pelo simples fato de podermos ter alguém que podemos contar para o que der e vier.
Devemos lembrar que os maiores desafios são feitos para as pessoas que tem capacidade para resolvê-los. Portanto, quando um desafio cruzar o nosso caminho, vamos encará-lo de frente, pois este desafio nos foi imposto porque temos a capacidade para resolvê-lo. Aquela pessoa que não tem um desafio em sua vida é uma pessoa que jamais vai poder demonstrar todo o seu potencial para vencer.
Sabem, vou contar uma historinha: existia uma pessoa que era sobrecarregada de afazeres além do que ela já tinha e seu chefe vivia lhe cobrando agilidade na resolução destes afazeres. Esta pessoa sempre comentava com seus colegas porque seu chefe lhe atribuía tantos deveres quando para os seus colegas delegava apenas tarefas fáceis de cumprir.
Mas, esta pessoa, nunca desanimou e nunca deixou de cumprir suas metas, hoje esta pessoa que encarou estes desafios é o diretor-presidente de uma grande companhia.
Sei que decisões importantes são difíceis de serem tomadas. Temos que analisar calmamente vários fatores. Mas, nosso subconsciente (reza a psicologia), tem a plena certeza de que a decisão que tomarmos será a correta.
Lembrem-se sempre de uma coisa: nós temos a capacidade de mudar o ambiente ao nosso redor para o nosso favor. Nós fazemos com que nosso ambiente de trabalho seja melhor ou pior e com certeza vamos ser lembrados por nossos colegas como pessoas íntegras e motivadoras.

O alpinista

Era uma linda manhã de primavera.

Como toda a manhã o pequeno monge subia as longas escadarias do templo para ouvir as lições do seu sábio mestre. Seu mestre, um homem com um olhar sério, mas ao mesmo tempo calmo, esperava seu jovem aprendiz para lhe delegar as tarefas diárias. Mas naquela manhã o sábio e sábio mestre proporia um grande desafio para o seu jovem aprendiz.

O pequeno monge chegou ofegante ao templo após subir as escadarias que pareciam intermináveis. Seu sábio mestre mandou-o sentar e descansar um pouco. Passado alguns minutos de silêncio, o sábio mestre olhou fixamente para seu pequeno discípulo. O pequeno monge conhecia muito bem aquele olhar penetrante. Nos minutos seguintes houve uma conversa que mudou para sempre a vida do pequeno monge.

O sábio mestre calmamente sentou-se a frente do pequeno monge e disse:  Pequeno aprendiz você tem sido muito disciplinado e obediente.

– Muito obrigado mestre, me esforço para agradar ao senhor – disse o pequeno monge. O pequeno monge continuou dizendo: – Mestre, que desafio vais me propor agora?  O desafio para você é muito grande, quero que você procure e escale a maior montanha do mundo – disse seu sábio mestre.

O pequeno monge sentiu seu corpo tremer diante do que tinha ouvido do seu mestre e completou dizendo: – Mestre, sou muito jovem e muito frágil e jamais sai das redondezas do templo, estou com medo de não conseguir vencer este desafio. Seu sábio mestre com a calma de anos de experiência encorajou o pequeno monge dizendo: Pequeno monge, não lembra mais dos ensinamentos que te passei, não subestime suas qualidades, seu potencial que está adormecido, verás que eles serão muito úteis nos momentos difíceis.

O pequeno monge ficou um momento em silêncio, ouviu atentamente as instruções do seu sábio mestre e aceitou o desafio. Seu sábio mestre disse que nos momentos difíceis era para o pequeno monge nunca se esquecer do seu treinamento diário e de que ele sempre estaria com seu pequeno discípulo enviando forças positivas.

No dia seguinte, antes do amanhecer, o jovem monge partiu rumo ao seu desafio, não sabendo o quão difícil seria este desafio. O sábio mestre ficou olhando seu jovem aprendiz desaparecer pouco a pouco no horizonte. O sábio mestre sentiu seu coração apertar, mas mostrou a serenidade pela escolha feita.

Então o pequeno monge começou sua jornada. Andou umas duas horas e logo avistou um pequeno monte. Logo veio um pensamento em sua mente: vai ser fácil vencer o desafio imposto pelo meu mestre, certamente está é a maior montanha do mundo.

Como o pequeno monge nunca tinha visto muitas montanhas pensou que aquele pequeno monte era a maior montanha. Ele logo descobriria que o desafio feito pelo seu sábio mestre era muito maior do que ele pensava. Chegou ao pequeno monte e começou a escalar vagarosamente e com muito sofrimento. Após muito esforço, muitas pequenas quedas, muitos arranhões, o pequeno monge chegou ao cume daquele pequeno monte. Uma sensação de êxtase tomou conta do seu frágil corpo, pensou consigo mesmo: Consegui.

Parou por um instante, respirou profundamente, olhou para o horizonte e qual foi sua visão: outro monte, um pouco maior do que este onde ele estava. O pequeno monge ficou um pouco frustrado por ter pensado que já tinha vencido o desafio, mas continuou sua jornada. A cada monte escalado, seus frágeis braços, suas frágeis pernas, ficavam cada vez mais fortes, resistentes às quedas e suportavam com maior facilidade as difíceis escaladas.

O pequeno monge foi crescendo e adquirindo grande experiência em escaladas, já estava começando a escalar grandes montanhas. O tempo passou, mas houve um dia, onde ele teve outra grandiosa lição. Ele estava preso no meio de uma altíssima montanha dificílima de escalar. O monge agora forte e experiente jamais tinha passado por uma situação parecida antes, ficou um bom tempo sem saber o que fazer ou para onde ir, se terminava sua escalada ou desistia.

Quanto ele estava a ponto de desistir, veio até seus pensamentos a figura do seu sábio mestre, do seu treinamento e principalmente de uma frase:

Não subestime suas qualidades e lembre-se que sempre estarei ao seu lado.

Neste exato momento o monge sentiu uma força enorme tomar conta dele, respirou profundamente, ergueu a cabeça e olhou para o alto da montanha, com muita persistência e dedicação conseguiu chegar ao cume daquela grandiosa montanha. A partir daquele momento o monge percebeu qual o real significado do desafio do seu sábio mestre. O desafio não consistia em apenas escalar a mais alta montanha, mas também que ele percebesse a capacidade que ele tinha de superar seus próprios limites.

O monge também percebeu que quando estava prestes a desistir uma força o empurrava a prosseguir, uma força inexplicável. Ele sempre lembrava do seu sábio mestre a cada conquista.

Nós também somos alpinistas.

Antes mesmo de nossa concepção já estamos tendo lições com nosso sábio mestre em seu grande templo. Quando ELE percebe que já estamos aptos para novos desafios, ELE pessoalmente sopra ar em nossos pulmões, faz nosso pequenino coração bater, interliga cada um de nossos neurônios e finalmente depois de algum tempo nascemos.

Começamos a escalar pequeninos montes, porque somos muito frágeis e não temos nenhuma experiência. Temos que escalar muitas montanhas. Pena que muitos subjulgam suas capacidades e desistem no meio da escalada. Nosso sábio mestre também nunca nos abandona e quando estamos à beira de um precipício gigantesco ELE nos estende SUA mão para nos socorrer. ELE toma conta de todo o nosso ser nos dando aquela força inexplicável para nossos braços e nossas pernas para que possamos terminar nossa difícil escalada.

Como o pequeno monge, nós vamos pouco a pouco escalando muitas montanhas ficando cada vez mais fortes e experientes. Sabe qual o nome desta lindíssima jornada: VIDA.

Quantas vezes já ficamos no meio de uma difícil escalada sem saber para onde ir.

Lembre-se de que quando estiveres nestes momentos o seu sábio mestre vai te dar força e providenciar um dos seus outros discípulos para te auxiliar na sua escalada.